Damares é vítima de fake news que ela mesma criou anos atrás

Damares criou inverdade em 2013 e agora está sendo ela a vítima (REUTERS/Adriano Machado)
Damares criou inverdade em 2013 e agora está sendo ela a vítima (REUTERS/Adriano Machado)

Candidata a senadora no Distrito Federal, a ex-ministra Damares Alves (Republicanos) foi alvo de uma notícia falsa na atual campanha baseada em inverdade que ela própria propagou em 2013.

Veja as últimas pesquisas eleitorais para presidente:

O TRE-DF (Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal) determinou na quarta-feira (28) o bloqueio de um vídeo no qual ela parece defender a masturbação de bebês.

Há nove anos, quando ainda era pastora, Damares mencionou em tom crítico, durante um culto, que especialistas da Holanda supostamente defendiam a masturbação em meninos e meninas a partir de sete meses, para que tivessem uma vida sexual saudável quando adultos.

Em 2019, quando Damares assumiu o ministério, o vídeo foi resgatado e ela chegou a ser um dos assunto mais comentado no Twitter mundial. Na Holanda, jornais manifestaram incredulidade diante das declarações e um chegou a afirmar que ela inventou "fábulas sexuais" sobre crianças.

Nos últimos dias, uma edição do vídeo passou a circular em redes sociais de modo a dar a impressão de que ela estaria defendendo a estimulação sexual de bebês.

Em outra filmagem, uma pessoa identificada como Gilson Barbosa diz que "não aceita essa proposta no Senado", que não vai fazer "isso" com a família dele. Ele anuncia voto em Flávia Arruda (PL), adversária de Damares. "Nós não estamos no comunismo para fazer esse tipo de coisa", diz.

Na quarta-feira, o desembargador Diego Barbosa Campos proibiu Gilson de repassar o vídeo, sob pena de multa de R$ 5.000 a cada novo compartilhamento. Também notificou o WhatsApp para consultar se seria possível bloquear a peça e identificar o primeiro número a compartilhá-la.

Da Folhapress