Daniel Alves detido: relembre outros casos de jogadores envolvidos em acusações de violência sexual

O lateral-direito Daniel Alves, de 39 anos, foi detido pela polícia espanhola nesta sexta-feira por conta de um processo que responde por suposta agressão sexual a uma mulher, cuja identidade não foi revelada. O caso teria acontecido na madrugada de 30 para 31 de dezembro, na boate Sutton, na cidade da Catalunha. O brasileiro está longe de ser o único jogador (ou ex-jogador) a se envolver em casos do tipo recentemente no futebol mundial. O GLOBO relembra outros episódios.

Robinho

O ex-atacante Robinho foi condenado pela Corte de Cassação da Itália na terceira e última instância da justiça italiana a nove anos de prisão por violência sexual em grupo cometida contra uma mulher albanesa numa boate em Milão, em janeiro de 2013. Como não restam mais recursos, a sentença é definitiva.

A vítima, que diz que foi embriagada e abusada sexualmente por seis homens enquanto estava inconsciente, completará 32 anos na próxima sexta-feira — na época, ela comemorava o 23° aniversário —, não queria comparecer a audiência, mas foi convencida pelo advogado e acompanhou o julgamento.

O jogador, Falco, e suas defesas, por sua vez, afirmam que a relação foi consensual. Robinho não foi a nenhuma audiência desde que o caso foi aberto, em 2016. A sentença de primeira instância foi anunciada no ano seguinte. Em outubro de 2020, o jogador chegou a ser anunciado pelo Santos, mas uma série de protestos, principalmente nas redes sociais, fez com que o Peixe suspendesse e posteriormente encerrasse o contrato com o jogador. No mesmo mês, a TV Globo divulgou trechos de uma conversa de Robinho com amigos, no qual os homens debochavam da vítima.

Dois meses depois, em dezembro, a dupla também foi condenada em segunda instância, na corte de Apelação de Milão. Na época, a juíza Francesca Vitale, que presidiu o julgamento, disse que "a vítima foi humilhada e usada pelo jogador e seus amigos para satisfazer seus instintos sexuais".

Agora, com a condenação na terceira e última instância, não restam mais recursos para Robinho e Ricardo Falco, que podem cumprir a pena no Brasil.

O caso contra os outros quatro homens envolvidos está suspenso até o momento, mas pode ser reaberto com a decisão da justiça italiana.

Benjamin Mendy

Campeão mundial pela França na Copa de 2018, o lateral-esquerdo Benjamin Mendy foi acusado nove vezes por estupro e agressão sexual. Fora dos gramados desde agosto de 2021, o jogador chegou a ser preso, mas foi solto após pagamento de fiança em janeiro do ano passado. Ele sempre negou as acusações.

Os crimes teriam acontecido entre outubro de 2018 e agosto de 2021, na casa de Mendy em Prestbury, na Inglaterra. O lateral de 28 anos disse que as acusações vão persegui-lo por toda a vida, que sua carreira no futebol acabou e que o caso foi um "inferno absoluto".

Após um longo período de julgamento em Chester, no noroeste da Inglaterra, o defensor foi considerado inocente por sete acusações recebidas, seis de estupro e uma de violência sexual. Ele está suspenso pelo Manchester City e ainda não teve veredito sobre outras duas denúncias.

Cristiano Ronaldo

Cristiano Ronaldo foi acusado de estupro em 2018 pela modelo Katheryn Mayorga. O caso teria ocorrido em 2009, em Las Vegas, na cobertura no hotel Palms. O jogador teria pedido para que a moça fizesse sexo oral nele e, com a recusa, ele teria a levado para um quarto e a violentado. Em seguida, segundo a acusação, Cristiano teria oferecido US$ 375 mil para que Kathryn ficasse em silêncio e que ela teria assinado um contrato para firmar o acordo.

A ex-modelo só trouxe o caso à tona em 2018 e pediu uma indenização no valor de 64 milhões de euros: 20 milhões pela "dor e sofrimento passados", mais 20 milhões pela "dor e sofrimento futuros" e outros 20 por danos punitivos.

O jogador sempre negou as acusações, garantindo que a relação foi consensual. "Nego essas acusações de forma firme. A violação é um crime abominável que vai contra tudo o que eu defendo", escreveu Cristiano Ronaldo em comunicado.

Em junho de 2022, a acusação de estupro contra Cristiano Ronaldo foi arquivada nos Estados Unidos depois do advogado da modelo ter utilizado documentos confidenciais na defesa.

Mason Greenwood

O atacante Mason Greenwood, uma das maiores revelações do Manchester United e da seleção inglesa nos últimos tempos, foi acusado pela namorada, a modelo Harriet Robson, de agressão e violência sexual. O jogador foi preso no fim de janeiro do ano passado, passou dois dias sendo interrogado e, no fim, acabou liberado na sequência após o pagamento de fiança.

Contudo, ele teria violado as condições ao tentar entrar em contato com a vítima em outubro do ano passado e foi detido mais uma vez, após a acusação chegar à polícia de Manchester. Quatro dias depois, Greenwood teve recurso aceito e recebeu nova autorização para pagamento de fiança e foi liberado.

Harriet Robson publicou um vídeo nas redes sociais para denunciar o jogador do Manchester United. Ela aparece com a boca ensanguentada e hematomas pelo corpo. Em um áudio, também divulgado pela modelo, Greenwood estaria discutindo com ela enquanto tenta forçá-la a fazer sexo. Enquanto a influenciadora diz que não quer praticar o ato, é possível ouvir ameaças como: "Abra suas pernas. Cale a boca. Eu não me importo se você quer fazer sexo comigo. Me empurre mais uma vez e você vai ver o que acontece."

Atualmente, Greenwood está liberado sob fiança e aguarda o julgamento. Ele está suspenso pelo Manchester United desde o momento da sua prisão.

Ryan Giggs

O caso mais recente é do ex-jogador Ryan Giggs, do País de Gales, que foi acusado de violência física e psicológica contra sua ex-companheira, Kate Greville, causando lesões corporais. Ele se declara inocente. O astro do Manchester United era treinador da seleção de seu país e a situação fez com que a Federação de Gales rescindisse com ele, poucos meses antes da Copa do Mundo do Catar.

Giggs foi detido em novembro de 2020 após uma discussão violenta com sua ex-namorada. O ex-jogador também é acusado de agredir a irmã de sua ex, Emma Gerville, e foi colocado em prisão domiciliar.

No meio do desentendimento entre os dois, o galês teria dado uma cabeçada em Kate, que terminou com o lábio sangrando. Greville chamou sua irmã para dar apoio, porém, quando ela tentou intervir, Giggs a atingiu na mandíbula com o cotovelo, conforme diz o promotor do caso.

Além disso, segundo o jornal "The Guardian", Giggs teria expulsado Kate nua de um quarto de hotel em Dubai depois que ela desconfiou de mensagens que o ex-jogador teria enviado a outra mulher. Em seu depoimento, Kate denunciou episódios de um comportamento controlador e abusivo de Giggs no relacionamento entre os dois. Durante uma audiência preliminar em abril de 2021, ele negou as acusações e se declarou inocente.