Rohani disputará reeleição no Irã

Teerã, 14 abr (EFE).- O presidente do Irã, Hassan Rohani, se registrou nesta sexta-feira como candidato nas eleições do dia 19 de maio, para tentar se reeleger ao cargo.

Na sede do Ministério do Interior, em Teerã, Rohani afirmou ter cumprido as promessas que fez ao povo iraniano durante a campanha eleitoral que há quatro anos o levou à presidência, segundo declarações dadas à imprensa estatal.

Em uma nova tentativa de convencer os indecisos e desencantados com suas políticas, Rohani destacou que o desempenho econômico de seu governo foi "melhor que o de seus antecessores" nos últimos anos.

O iraniano também falou sobre o acordo nuclear assinado em julho de 2015 entre seu país e as seis grandes potências, cuja proteção é, para ele, um dos "assuntos econômicos e políticos mais importantes" para a nação iraniana.

"As mesmas pessoas que lutaram dia e noite por este acordo devem continuar seu caminho até os últimos passos", declarou.

Rohani disse ainda que a manutenção da segurança nacional foi um dos objetivos mais importantes de seu governo e destacou que "a sombra nefasta da guerra (sobre o país) desapareceu".

Vencedor do último pleito presidencial, em 2013, no primeiro turno, ao conseguir 50,8% dos votos, Rohani é o candidato do bloco reformista, embora ele mesmo se defina como moderado.

O principal adversário do presidente nas urnas deve ser o clérigo Ebrahim Raisi, próximo ao líder supremo, Ali Khamenei, e custódio do mausoléu do ímã Reza na cidade santa de Mashad.

Raisi, que também se registrou hoje no Ministério do Interior, disse à imprensa local que a situação do país "pode mudar para melhor" se a economia nacional for isolada das oscilações da economia mundial.

O clérigo conservador ressaltou que será um candidato para "todo o povo iraniano" sob o lema "trabalho e dignidade".

Outros possíveis fortes candidatos à presidência são o ex-presidente Mahmoud Ahmadinejad - a surpresa da corrida eleitoral, já que o líder supremo lhe recomendou para que não concorresse - e aquele que duas vezes foi seu vice-presidente, Hamid Baghaei.

As principais correntes no Irã são os reformistas e os conservadores ou principalistas, que se alternam no poder desde a fundação da República Islâmica, em 1979. EFE