Daniel Silveira desafia Moraes e diz que não vai usar tornozeleira eletrônica

Daniel Silveira desafia Moraes e diz que não vai usar tornozeleira eletrônica (Foto: Andressa Anholete/Getty Images)
Daniel Silveira desafia Moraes e diz que não vai usar tornozeleira eletrônica (Foto: Andressa Anholete/Getty Images)
  • Daniel Silveira desafia Moraes e diz que não vai usar tornozeleira eletrônica

  • Ministro do STF determinou as novas medidas restritivas na semana passada

  • Parlamentar foi preso em fevereiro do ano passado

O ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), determinou nesta terça-feira (29) a instalação imediata de tornozeleira eletrônica no deputado federal Daniel Silveira (União Brasil-RJ). A informação é do portal g1.

Apesar disso, o parlamentar disse hoje que não vai cumprir a ordem de Moraes. No discurso no plenário, Silveira foi defendido por aliados do presidente Jair Bolsonaro (PL).

"Quem está descumprindo é o Alexandre, não sou eu não. A decisão dele não quer dizer nada. Para ele tomar uma decisão, o juiz tem um qualificativo da inércia e da imparcialidade. Ele é suspeito na causa. Deveria ter se declarado suspeito. Quando ele continua, ele é a vítima, ele é o acusador, ele é o julgador. Isso faz sentido juridicamente para você?", questionou.

O aliado do presidente disse ainda que não cumpriria decisão "ilegal" de Moraes, e que o ministro tinha que ser "impichado e preso".

Na semana passada, Moraes já havia determinado que Silveira voltasse a usar tornozeleira, além de ficar proibido de sair do Rio de Janeiro e de participar de eventos públicos.

De acordo com a decisão do ministro do STF, a medida não valeria apenas para viagens a Brasília que sejam relacionadas ao trabalho do deputado federal.

Silveira foi preso em fevereiro do ano passado por ameaçar e ofender ministros do Supremo e propagar “a adoção de medidas antidemocráticas”.

Depois, a Corte concedeu prisão domiciliar ao deputado e, em novembro, ele foi solto. Mas Silveira foi submetido a cumprir medidas cautelares, como a proibição de acessar as redes sociais.

*Com informações da Folhapress