Daniel Silveira gravou conversas com Bolsonaro, diz deputado do PSL

·2 minuto de leitura
De uma unidade prisional da PM, deputado pediu desculpas em fala direcionada à Câmara. (Foto: TV Câmara/Reprodução)
De uma unidade prisional da PM, deputado pediu desculpas em fala direcionada à Câmara. (Foto: TV Câmara/Reprodução)

Daniel Silveira (PSL-RJ), deputado federal preso após ameaçar ministros do Supremo Tribunal Federal, gravou conversas particulares com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e com Rodrigo Maia (DEM-RJ). Foi o que revelou o colega de partido, o deputado Felício Laterça (PSL-RJ), em um vídeo nas redes sociais.

“Ele me revelou que ele já tinha feito algumas gravações de algumas pessoas, ele tinha esse mau hábito. Acabou gravando conversas com parlamentares dentro do ambiente da Câmara. E se valendo disso para se autopromover. Ele disse para mim que também havia gravado o presidente da República”, disse o deputado.

Leia também

Laterça ainda levantou a possibilidade de as conversas serem reveladas em caso de apreensão do celular de Daniel Silveira. Na sala onde o deputado estava preso, ainda na Polícia Federal, foram encontrados dois aparelhos com ele.

“Esse deputado não merece estar entre nós. A Câmara deveria há muito tempo ter feito o Conselho de Ética funcionar”, afirmou. O colega de partido relatou que Silveira via nas gravações uma forma de registrar as conversas.

Ao Estadão, Felício Laterça afirmou que esse era o jeito de Silveira de agir. “Ele gravava os deputados. Disse que gravou conversa com o deputado Rodrigo Maia e outros deputados da base. Ele gravava as pessoas com as quais tinha divergência, começava a puxa assunto para ter algo em troca, acredito eu.”

Laterça e Silveira, apesar de estarem no mesmo partido, são rompidos desde o fim de 2019, quando o PSL teve rachas internos. Em outubro daquele ano, Silveira vazou áudios de uma briga na bancada da legenda. Ele admitiu ter gravado o encontro e afirmou que a intenção era blindar o governo.

A assessoria de Daniel Silveira afirmou ao Estadão que a defesa do deputado só deverá conseguir entrar em contato com ele nesta terça-feira. O advogado de Silveira deve responder às acusações de Laterça por meio de nota.

Daniel Silveira está preso no Batalhão Especial Prisional da Polícia Militar, em Niterói, Rio de Janeiro. A prisão foi determinada pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF, após a divulgação de um vídeo nas redes sociais, em que ofende outros ministros da Corte.

A decisão causou divergências entre juristas, mas foi aprovada por unanimidade pelo Supremo, além de ter sido ratificada pela Câmara dos Deputados.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos