Daniel Silveira tem R$ 561,45 em conta, informa banco ao STF

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Daniel Silveira tinha como saldo cerca de  R$ 561 em investimentos, fora da conta corrente. O levantamento e bloqueio de bens do parlamentar ocorre após determinação do STF.
Daniel Silveira tinha como saldo cerca de R$ 561 em investimentos, fora da conta corrente. O levantamento e bloqueio de bens do parlamentar ocorre após determinação do STF. (Foto: EVARISTO SA/AFP via Getty Images)

Após determinação do ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), o banco Bradesco informou que bloqueou a conta do deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ).

Segundo a informação prestada pela instituição, o parlamentar tinha como saldo R$ 561 em investimentos, fora da conta corrente.

O valor estava depositado em uma conta localizada na agência da cidade fluminense de Itaipava. Nesta terça-feira, Moraes determinou o bloqueio dos valores pertencentes ao parlamentar em razão da aplicação da multa de R$ 405 mil pelo descumprimento do uso da tornozeleira eletrônica.

"Em atenção ao Ofício deste Douto Juízo, vimos, respeitosamente, a presença de Vossa Excelência, em complemento ao nosso expediente anterior, datado de 04/05/2022, para informar que bloqueamos as contas e aplicações financeiras abaixo, tituladas por DANIEL LUCIO DA SILVEIRA, conforme requisitado", diz o documento.

De acordo com o mesmo informativo, as outras três contas que o deputado tem no banco estão com o saldo zerado.

Na quarta-feira, o Banco Central informou a Moraes ter recebido ofício por meio do qual a Corte solicita o bloqueio de todas as contas do parlamentar.

Além do pagamento da multa, o ministro do STF também determinou o bloqueio de 25% dos vencimentos pagos pela Câmara ao parlamentar, até o cumprimento integral da multa aplicada.

No processo, Moraes argumentou que a multa segue válida mesmo após Bolsonaro ter concedido perdão às penas impostas pelo Supremo a Silveira.

O ministro disse que o ato do mandatário da República não se relaciona com a condenação, “mas sim com o desrespeito às medidas cautelares fixadas, sem qualquer relação com a concessão do indulto”.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos