Daniela Mercury regrava 'Milla' para 'salvá-la' de Netinho, que usou canção em protestos antidemocráticos

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Um dos maiores hits do axé, "Milla" será lançada com uma nova roupagem por Daniela Mercury. A artista, assim como Manno Goes, um dos compositores da canção, estão anunciando o novo single como uma forma de libertação. É que 25 anos depois do lançamento, a música, eternizada na voz de Netinho, foi usada em protestos considerados antidemocráticos, por pedirem intervenção militar. A situação gerou uma disputa entre autor e intérprete na justiça.

"Milla livre! Desta vez com todo talento e alegria da mais importante artista do axé! Obrigado, Daniela Mercury", elogiou Manno Góes, na web.

A baiana agradeceu a oportunidade.

"Milla está salva. Milla livre para sempre. Eu queria trazer o espírito da liberdade para a música, mudando completamente a roupagem dela. Por isso, entrei numa área que faz parte da minha história: a música eletrônica percussiva. Ficou incrível", diz Daniela, que vai lançar a canção no dia 17 de setembro.

Disputa na Justiça

Em um ato pró-Bolsonaro, no dia 1 de maio, em São Paulo, em que manifestantes diziam "eu autorizo", sobre uma intervenção militar, Netinho fez um show cantando "Milla". Manno Goes criticou a atitude e entrou na Justiça da Bahia contra a deputada Carla Zambelli (PSL-SP), pedindo indenização por danos morais e materiais pelo uso da música em um vídeo que mostra Netinho cantando o refrão. Ao G1, o compositor explicou:

"Eu não posso proibir ninguém de cantar uma música minha. O que o autor tem direito é de impedir de que essa música esteja vinculada com uma forma de divulgação que ele não concorde".

Antes da ação ter se tornado pública, Manno desabafou no Twitter. Netinho não gostou das ofensas e também entoru com uma ação contra o ex-colega.

"Netinho ontem cantou Milla no ato em que pessoas brancas, na Paulista, gritavam eu autorizo', para Bolsonaro. Autorizam o que? Golpe militar? Portanto, eu NÃO AUTORIZO esse débil mental de cantar minha música. Já entrei na justiça e retirarei todos os vídeos que tiverem isso", escreveu Manno Góes no Twitter.

Netinho entrou com uma ação por danos morais na 6ª Vara dos Juizados Especiais de Causas Comuns da Bahia. O cantor reclamava de "condutas abusivas" e "declarações ofensivas" contra ele. A postagem de Manno foi apagada após a notificação judicial.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos