Dany Bananinha fala das delícias e dificuldades dos primeiros meses como mãe: 'Ela chorava de fome e eu, de dor'

Rafael Nascimento

Dany Bananinha estava ocupada no momento em que a reportagem entrou em contato. Tinha que, entre outras coisas, concluir os cuidados de Lara, sua primeira filha, e colocá-la para dormir. A pequena, prestes a completar três meses, é a prioridade na vida de Dany, de 43 anos. Ela não esconde que tem sido difícil, mais do que isso, "desafiador", mas as maravilhas da maternidade superam qualquer contratempo. 

"Tem sido desafiador, ainda mais sozinha, sem ajuda desde sempre por conta da pandemia. Mas tem sido dias felizes, de muito aprendizado, cansaço e muita parceria parceria entre eu e o papai para cuidarmos da melhor forma da Lara", disse ela, que tem a companhia do amado, o fisioterapeuta Pedro Koellreutter.

"É uma mudança radical na vida, lembro diariamente das noites em que eu escolhia só dormir sem ter compromisso no outro dia. (risos). Tudo muda, é bem louco. Louco e lindo."

Dany acrescenta que a rotina ficou mais cansativa. Por conta dos cuidados com o bebê, é normal que passe noites sem dormir. Lembra que nos primeiros dias, as duas choravam: "Lara, com fome, antes de ser amamentada, e eu de dor". O companheiro, claro, sempre por perto: "Pedro ficava do lado, quase chorando junto (risos)".

 

"Amamentar é uma conexão muito boa. A dor é maior, mas a gente fica forte e aguenta. Apesar de todo cansaço e dor, a gente esquece de tudo isso quando ela dá um sorriso, segura minha mão na hora de mamar, reconhece minha voz ... O coração transborda de amor, cada dia mais. Olhar para boneca Lara e lembrar que saiu de dentro de mim, parece um sonho. Sinto orgulho, um amor forte e uma gratidão imensa", derrete-se Dany.