Das 846 crianças de até dois anos que morreram por Covid-19, 32,5% não tiveram acesso à UTI

·2 minuto de leitura

RIO - Das 846 mortes de crianças de até 2 anos de idade por Covid-19, desde o início da pandemia, em 32,5% dos casos, elas morreram sem ter dado entrada numa Unidade de Terapia Intensiva (UTI). O levantamento foi feito pelo Observatório Obstétrico Brasileiro (OOBr), que monitora e analisa dados da população materna, com base em dados de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) no Sistema de Informação da Vigilância Epidemiológica da Gripe (Sivep Gripe). A última atualização do sistema foi em 11 de julho.

— Olhamos para essa porcentagem de 32,5% de não-UTI e percebemos que, se essa criança foi para o pior cenário possível, que é de óbito, seria esperado que tivesse bom atendimento, boa assistência, que ela fosse para UTI ou fizesse intubação — explica Agatha Rodrigues, uma das coordenadoras do OOBr e professora do Departamento de Estatística da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes).

A análise de dados sobre crianças de até dois anos é feita pelo painel OOBr Covid-19 1000 dias, que pertence ao Projeto OOBr. Rodrigues explica que a ideia foi analisar o impacto da pandemia para essa população de até 2 anos:

— Olhando os dados para a população materna e vendo a gravidade da pandemia em 2021, sendo até mais letal para essa população, comparado ao ano passado, pensamos em analisar também o impacto da pandemia para essa população que também é muito dependente dos cuidados e das decisões que são feitas e da disponibilidade de assistência durante a gestação, que são as crianças de até 2 anos.

O número de mortes foi maior entre crianças que ainda não tinham completado um mês de vida. Elas correspondem a 28,9% do total. Esse dado sobre para 55% dos casos quando inclui bebês de até 3 meses de vida.

— Há uma cultura de achar que com a criança (a doença) não é tão impactante. Realmente, em comparação com a população geral, ela não é tão agressiva. Mas foram 466 mortes entre crianças de até 3 meses. Foi um número que chamou bastante a atenção — acrescenta Rodrigues.

Entre as regiões do país, o número de crianças que morreram sem acesso à UTI foi maior na região Norte, com 38,5%, e menor no Sul, com 23,1%.

A análise mostrou ainda que 38% das crianças que morreram por Covid-19 não foram intubadas. Novamente, quando observada a região, no Norte, esse número é de 46,8%. Mas o menor índice é na região central, com 35,1%.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos