Datafolha mostra que Bolsonaro só tem um caminho para 2022

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·4 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Brazilian President Jair Bolsonaro attends the Marechal Rondon Communications Award ceremony at the Planalto Palace in Brasilia, on September 14, 2021. (Photo by EVARISTO SA / AFP) (Photo by EVARISTO SA/AFP via Getty Images)
Foto: Evaristo Sá/ AFP (via Getty Images)

Se parar cinco minutos de sua esvaziada agenda de trabalho para ler e entender o retrato divulgado pelo último Datafolha, Jair Bolsonaro não vai demorar a perceber que tem apenas uma alternativa até outubro de 2022: governar.

A mensagem da pesquisa é clara. O presidente que nos últimos meses apostou na escalada da retórica golpista não conseguiu expandir sua base de apoio com ameaças. Pelo contrário. A escalada seguida de recuo mostra oscilação para baixo em seu percentual de apoio. Era de 24% em julho e hoje o instituto marca 22%; sua reprovação, seguindo a tendência, também oscilou dois pontos, mas para cima (de 51% para 53%).

Bolsonaro, adepto da doutrina de que a maioria deve se curvar à minoria, até o momento não deu mostras do que pretende fazer para reverter o ranço de um setor majoritário da população.

O desenho da pesquisa mostra que o jacaré abriu a boca. A mandíbula foi acionada entre dezembro e janeiro de 2021, quando sua aposta na imunização de rebanho e a hesitação em comprar vacinas se mostrou uma tragédia. Resultado: as linhas de apoio e rejeição se cruzaram hoje seguem distantes.

Bolsonaro mantém percentual relativamente alto entre empresários (54% de aprovação), desiludidos com os partidos tradicionais (38%), evangélicos (29%) e moradores da região Sul (28%).

Leia também:

Há, porém, sinais de erosão em alguns desses grupos. Muitos provavelmente afetados pelas suspeitas de corrupção que hoje envolvem o governo, incapaz até aqui de justificar as tenebrosas transações envolvendo estudos com cloroquina e atravessadores da aquisição de vacinasalvos, aliás, da Polícia Federal.

Entre evangélicos, por exemplo, o ex-capitão tinha 34% de apoio em julho. Hoje ele é rejeitado por 41% — quatro pontos a mais em relação à última pesquisa.

Os índices de apoio resiliente podem garantir a ele um lugar no segundo turno. Ao menos enquanto o “projeto terceira via” não tiver um corpo. Mas eles hoje já não teriam peso suficiente para levá-lo à vitória. Seu principal desafiante, o ex-presidente Lula, mantém cerca de 20 pontos de vantagem nos cenários mais prováveis da disputa no primeiro turno. Em uma simulação de segundo turno, a vantagem do petista vai a 25% (56% contra 31%).

Entre agosto e dezembro de 2020, o percentual da população que aprovava o governo Bolsonaro ainda era positiva. Na época, a segunda onda (que se mostrou mais fatal) era ainda chamada de “conversinha” pelo presidente e parte da população mais vulnerável estava protegida da queda com o tecido do auxílio emergencial.

Hoje Bolsonaro é rejeitado por 56% dos brasileiros que recebem até dois salários mínimos.

O passado recente mostra que, com o avanço da vacinação e a engorda do Bolsa Família, prestes a ser rebatizado de Auxílio Brasil, o presidente tem campo ainda a crescer. Para isso precisa fazer o arroz-feijão nas relações com o Congresso e o Supremo Tribunal Federal, que podem dar aval ou barrar a saída orçamentária costurada pela equipe econômica. De algum lugar, afinal, o dinheiro precisa sair, e por isso a discussão sobre os precatórios ganhou ares de final de campeonato.

Só não dá para fazer isso prometendo mandar adversários ou possíveis aliados para a ponta da praia se não tiver voto impresso em 2022 ou avisar a turma mais radical que não vai obedecer medidas judiciais que lhe desagradem. O risco de desembarque no Congresso e o puxão de orelha de atores-chaves do PIB, que não toparam o golpe, levaram Bolsonaro ao recuo e a uma encruzilhada: apostar no caos, energizar a base e melar a disputa do ano que vem ou tentar um acordo para reverter a moral com a população mais pobre e chegar inteiro, e com chances, na disputa onde hoje não é mais favorito. A ver.

Base para fazer a travessia ele tem. Graças ao apoio sincero e desinteressado do Centrão, hoje instalado em postos-chave de sua gestão, como Casa Civil, Secretaria de Governo, Comunicações e Cidadania.

Ruídos políticos, na análise de seu ministro da Economia, Paulo Guedes, já produzem efeitos práticos na vida da população empobrecida pela alta do dólar, e consequentemente dos preços, a morte de seus entes na pandemia, o risco de racionamento e o desemprego.

Bolsonaro em algum momento precisa entender que quem mais sofre com os solavancos na economia, agravada por seus ruídos e rugidos, não tem tempo nem dinheiro para comprar a camisa da seleção, pegar ônibus, atravessar o estado e dizer na avenida Paulista que ele tem o seu apoio.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos