Datafolha: Bolsonaro mantém reprovação em 53%, pior índice desde o início do governo

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·3 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
BRASILIA, BRAZIL - DECEMBER 16:President of Brazil Jair Bolsonaro reacts during the exchange of the presidential guard at Planalto Palace on December 16, 2021 in Brasilia, Brazil. (Photo by Andressa Anholete/Getty Images)
Jair Bolsonaro é avaliado de forma positiva por 22% dos brasileiros, segundo Datafolha (Foto: Andressa Anholete/Getty Images)
  • Avaliação negativa de Bolsonaro se manteve em 53%, segundo Datafolha

  • Índice da pesquisa de dezembro foi igual ao de setembro

  • Maior reprovação de Bolsonaro é entre homossexuais, estudantes e jovens; empresários e evangélicos são os que mais apoiam

O presidente Jair Bolsonaro (PL) tem o mandato avaliado como ruim ou péssimo por 53% dos brasileiros – pior índice desde o início do governo. É o que mostra o levantamento do Datafolha, divulgado nesta sexta-feira (17) pelo jornal Folha de S. Paulo.

Os índices de ruim/péssimo, regular, ótimo/bom se mantiveram estáveis em relação ao levantamento feito em setembro.

Veja os resultados:

  • Ótimo/bom: 22%

  • Regular: 24%

  • Ruim/péssimo: 53%

  • Não sabe: 1%

A pesquisa foi feita entre os dias 13 e 16 de dezembro e foram ouvidas 3.666 pessoas, todas com mais de 16 anos, em 191 cidades do país. A margem de erro é de dois pontos percentuais.

Melhor e pior avaliação

Segundo o Datafolha, o governo de Jair Bolsonaro é bem avaliado especialmente entre empresários (50%) e evangélicos (32%). Entre os que têm de 16 a 24 anos, a avaliação positiva é de 13% e de 17% entre os que ganham até dois salários mínimos. Entre os desempregados, 16% avaliam bem o governo.

A maior reprovação está entre homossexuais e bissexuais (75%), estudantes (73%) e jovens entre 16 e 24 anos (59%). No Nordeste, a avaliação negativa é de 58% e entre aqueles que ganham dois salários mínimos, 51% avaliam mal o governo Bolsonaro. Entre moradores da região Sul, 44% consideram o governo ruim ou péssimo, enquanto 48% das pessoas que ganham mais de 10 salários mínimos avaliam mal Bolsonaro.

Eleições presidenciais de 2022

Primeiro turno

O ex-presidente Lula (PT) aparece como favorito nas eleições presidenciais de 2022, segundo pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira (16). O petista tem 48% das intenções de voto, ampla diferença em relação ao segundo colocado, Jair Bolsonaro (PL), com 22%.

Foram testados dois cenários e em ambos os casos, Lula venceria no primeiro turno.

Cenário A:

  • Lula: 48%

  • Bolsonaro: 22%

  • Sergio Moro: 9%

  • Ciro Gomes: 7%

  • João Doria: 4%

  • Nulo/branco/ninguém: 8%

  • Não sabem: 2%

Cenário B:

  • Lula: 47%

  • Bolsonaro: 21%

  • Sergio Moro: 9%

  • Ciro Gomes: 7%

  • João Doria: 3%

  • Simone Tebet: 1%

  • Rodrigo Pacheco: 1%

  • Alessandro Vieira: 0%

  • Aldo Rebelo: 0%

  • Felié d’Ávila: 0%

  • Nulo/branco/ninguém: 8%

  • Não sabem: 2%

Segundo turno

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) venceria todos seus adversários num eventual segundo turno se a eleição presidencial de 2022 fosse hoje, aponta pesquisa do Datafolha realizada de 13 a 16 de dezembro.

​Moro é um dos grandes antípodas públicos de Lula. Juiz da Lava Jato, foi responsável por deixar o petista 580 dias na cadeia, mas acabou tendo suas sentenças anuladas pelo STF (Supremo Tribunal Federal), que o julgou parcial no processo.

O principal rival hoje de primeiro turno do petista é o presidente Jair Bolsonaro (PL) nesta rodada do Datafolha, ele vence o titular do Planalto por 48% a 22%.

Na simulação de segundo turno, Lula bate Bolsonaro por 59% a 30% —dado estável em relação ao aferido na rodada anterior, de 13 a 15 de setembro, quando o placar era 56% a 31%. Votam em branco, nulo ou em ninguém 10%, e 1% diz não saber quem escolheria.

Há nuances regionais que se repetem, como a vantagem enorme de Lula no Nordeste: 72% a 21%. Já nos redutos bolsonaristas sulistas e no Norte/Centro-Oeste, a diferença cai para 53% a 36%, em ambas as regiões.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos