Datafolha: no Rio, Paes e Freixo largam na frente de Crivella na corrida pela prefeitura

Freixo (à esq.) e Paes se enfrentaram nas eleições à Prefeitura do Rio em 2012. (Foto: Reprodução)

Uma pesquisa do Datafolha revelou um ‘duelo’ entre Eduardo Paes (DEM) e Marcelo Freixo (PSOL) na corrida eleitoral para a Prefeitura do Rio de Janeiro em 2020. O atual prefeito, Marcelo Crivella (Republicanos), vem em terceiro, sendo seguido pela deputada estadual Martha Rocha (PDT) e o ex-presidente do Flamengo Eduardo Bandeira de Mello (Rede).

O levantamento, encomendado pelos jornais O Globo e Folha de São Paulo, mostrou uma vantagem ligeira de Paes, que lidera com 22%, enquanto Freixo surge com 18%. A terceira colocação é ocupada por Crivella, com apenas 8%. Entre os 5 primeiros, Martha Rocha surge com 7%, e Bandeira de Mello com 6%.

Leia também

O levantamento foi feito entre quarta e sexta-feira da última semana, com 872 eleitores no Rio. O nível de confiança - isto é, a probabilidade de que os resultados retratem a realidade do eleitorado -, é de 95%. Segundo o Datafolha, o número de votos brancos e nulos chega a 29%, percentual superior às intenções de voto de Paes e Freixo.

RELIGIÃO, ESCOLARIDADE E RENDA

A pesquisa apontou também empate entre Paes e Crivella diante dos eleitores que se declararam evangélicos, os dois com 17%. Nesse grupo, Freixo vem em terceiro com 10%. Entre os católicos, Paes lidera com 28%, sendo seguido por Freixo (15%) e, de longe, por Crivella (3%).

Entre os mais ricos e escolarizados, o nome de Freixo aparece como o mais bem cotado. O Psolista encontra 21% dos votos nos eleitores com Ensino Superior, enquanto conta com 15% no Médio e 7% no Fundamental. Paes lidera no Fundamental, com 24%, e no Médio, com 20%. Entre os de nível Superior, Paes apresenta 24% das intenções de voto.

Quando considerado a renda mensal por salários mínimos, Freixo lidera as faixas de 5 a 10 mínimos com 27% dos votos, e acima de 10 salários, com 33%. Paes é líder no grupo abaixo de 2 salários mínimos (21%), e de 2 a 5 salários (22%).