Datafolha tem perguntas que podem incomodar Bolsonaro; veja quais são elas

Além da intenção de voto dos eleitores, a pesquisa do Datafolha que será divulgada nesta quinta-feira vai trazer perguntas sobre outros temas incômodos ao presidente Jair Bolsonaro. Os entrevistados estão sendo questionados sobre assuntos como fome, inflação, corrupção, desemprego e as mortes do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips.

Uma das perguntas é sobre se a quantidade de comida que o entrevistado tem em sua casa é suficiente ou não para ele e sua família. Recentemente, uma pesquisa mostrou que 33,1 milhões de brasileiros passam fome atualmente, um aumento de 14 milhões de pessoas em um ano.

Ainda nesta linha, os entrevistados estão sendo questionados se o dinheiro que ele e sua família ganham é suficiente para sobreviver. No início de junho, o IBGE mostrou que a renda média mensal domiciliar per capita dos brasileiros foi de R$ 1.353, o menor valor em dez anos. Reportagens de O GLOBO no mês passado apontaram que Bolsonaro será o primeiro presidente a terminar o mandato sem aumento real do salário mínimo e que 38% dos trabalhadores dos países vivem com o rendimento mínimo. Além disso, levantamento do Procon de São Paulo concluiu que o mínimo é insuficiente para comprar a cesta básica na maior cidade do país.

Como o GLOBO mostrou, o entorno do presidente aguarda com apreensão a nova pesquisa, realizada em meio à prisão do ex-ministro Milton Ribeiro. O último levantamento do Datafolha, divulgado em maio, mostrou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) com 48% das intenções de voto e Bolsonaro com 27%. A pesquisa começou a ser realizada na quarta-feira e será concluída nesta quinta, mesmo dia em que será divulgada. Serão ouvidas 2.500 pessoas.

O Datafolha também fará uma série de perguntas sobre o cenário econômico e político. Uma das questões é sobre se o poder de compra dos salários vai aumentar, diminuir ou ficar como está, em um cenário de mais de sete meses de IPCA acima de dois dígitos. E o levantamento vai buscar dados sobre a situação econômica do país e pessoal dos entrevistados melhorou, piorou ou ficou como estava, e as perspectivas para os próximos meses.

Outro ponto que será abordado é as mortes de Dom Phillips e Bruno Pereira, confirmada na semana passada. Os dois foram mortos na região do Vale do Javari, na Amazônia. O Datafolha vai questionar se "o governo brasileiro fez tudo o que poderia ou fez menos do que poderia" para investigar o assassinato. O Executivo foi criticado por uma demora no início das buscas.

Também será perguntado o prejuízo que a morte dos dois irá trazer para a imagem do Brasil no exterior, para as ações do governo brasileiro na Amazônia e para as ações de organizações de proteção ao meio ambiente e aos povos indígenas que atuam na Amazônia.

Em um assunto relacionado, o instituto também quer saber se o governo Bolsonaro "mais incentiva do que combate" o desmatamento na Amazônia, a invasão de terras indígenas, o garimpo ilegal e a ação de caçadores e pescadores ilegais na região.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos