David Luiz lembra Angelim, vira 'servo' no Flamengo e escudo para volta por cima de companheiros

Os cachos loiros são mais do que marketing. Representam o prazer de David Luiz em guardar quem está a sua volta. O comportamento do zagueiro do Flamengo lembra a de um outro xerife que passou pelo clube, Ronaldo Angelim. Assim como o Magro de Aço de Juazeiro, no Ceará, o paulista de Diadema não tem vaidade pessoal, prefere vestir um escudo não só para evitar os gols, mas principalmente para se transformar em um para-raio de frustrações, pronto para devorá-las e devolvê-las em forma de incentivo para si e os demais.

Foi assim com Rodinei, Léo Pereira, Pedro, Hugo, que viveram altos e baixos desde o ano passado, e também os mais jovens. David funcionou ao longo da temporada como um filtro, um psicólogo que o Flamengo não disponibiliza no dia a dia do elenco. Sua devoção religiosa o faz se sentir confortável nesse papel, assim como o capitão Diego Ribas. A diferença está no total desprendimento e procura por status pessoal. Aos 35 anos, o jogador tem ambição de trabalhar como técnico quando se aposentar, e já é a principal referência dentro de campo para Dorival Junior, que entendeu a importância dessa liderança para a recuperação do time este ano.

— O David resgatou a confiança e o prazer de estar atuando. Ele sabe a importância dele dentro do grupo. Não preciso ter o David com braçadeira em campo porque a postura é de capitão — definiu o técnico.

De onde vem a devoção por servir

Tal postura extrapola o campo, irradia pelos corredores do Ninho do Urubu, e chega até as arquibancadas. Como uma entidade, David Luiz sentiu logo que chegou ao Flamengo que a sua missão era propagar o que é ser rubro-negro, e virou também um servo dessa religião. Em pouco tempo, parece que conseguiu traduzir bem a sensação e se conectar com um povo que prometera fazer feliz quando saiu de campo chorando após o 7 a 1 da Alemanha sobre o Brasil na Copa de 2014. Não à toa para sempre que pode para dar atenção ao público, acenar, sorrir, tirar foto.

— Ao longo da minha carreira aprendi que a gente não joga pra nós, faz parte de algo de muito maior que é poder de alguma forma tocar na vida das pessoas — ensina, em tom pastoral.

— Temos privilégio de fazer isso através da nossa profissão. Lembrar o esforço que muitos fizeram para estar ali para nos apoiar. É uma forma de retribuir. A gente recebe muito mais do que dá — completou.

Na hora que precisa de ajuda, David Luiz também sabe aceitar e agradecer. Após conviver com problemas físicos no ano passado, subiu de produção com um trabalho mais dosado de carga, exaltou o departamento médico. Mas recentemente foi diagnosticado com uma hepatite que o assustou. Teve todo apoio de colegas e funcionários para se recuperar. Fora de campo, cultiva um amor incomensurável pelas filhas Mallie, de quase dois anos, e Ayla, recém-nascida.

Como não poderia deixar de ser, com a família a postura de porto seguro é ainda mais presente. "Princesa Ayla na área! Te amo filha, papai estará sempre aqui pra você, te segurando em todos os momentos!", escreveu David em uma postagem recente. Como pai, dedica seu tempo livre para as filhas e a mulher. Em casa, faz questão de fazer as tarefas com as meninas, como banho e alimentação.

Hoje, o camisa quatro estará segurando mais de 40 milhões de corações. E repetindo o que aprendeu em casa. Com Dona Regina, sua mãe, David aprendeu desde o tempo de criança a dividir o pão. Em sua casa na Barra da Tijuca, a garagem é tomada por doações. O jogador separa parte de seus ganhos financeiros para fomentar o projeto que a mãe, ex-professora de escola fundamental, capitaneia. Mas evita envolvimentos políticos e partidários. Uma curiosidade é que em 2011, no Chelsea, David e Luiz ficaram o "L" em homenagem ao então ex-presidente Lula, que lutava contra um câncer na faringe.