David Uip deixa PSDB depois de 'bolsonarização' do partido

*** FOTO DE ARQUIVO *** SÃO PAULO, SP, 13.11.2017 - O secretário estadual da Saúde, David Uip. Os Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) é homenageado pelos seus 60 anos em cerimônia realizada na Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo), em São Paulo. (Foto: Zanone Fraissat/Folhapress)
*** FOTO DE ARQUIVO *** SÃO PAULO, SP, 13.11.2017 - O secretário estadual da Saúde, David Uip. Os Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) é homenageado pelos seus 60 anos em cerimônia realizada na Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo), em São Paulo. (Foto: Zanone Fraissat/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O infectologista David Uip decidiu deixar o PSDB depois de 27 anos de militância em que se transformou na maior referência do partido na área da Saúde.

No cargo de secretário de Ciência, Pesquisa e Desenvolvimento em Saúde do governo de São Paulo, Uip tomou a decisão, segundo a coluna apurou, por causa da "bolsonarização" da legenda.

No segundo turno das eleições, diversas lideranças do partido anunciaram apoio a Jair Bolsonaro, e algumas chegaram a posar com a foto do ex-prefeito Bruno Covas ao lado do então candidato ao governo de São Paulo Tarcísio de Freitas–o que gerou protestos da mãe e do filho do ex-prefeito, morto em 2021.

Uip coordenou o Centro de Contingência contra a Covid-19 no governo de João Doria, e liderou a resistência dos médicos de São Paulo ao negacionismo de Bolsonaro.

Por causa disso, foi atacado diretamente pelo presidente da República e chegou a ter a sua receita pessoal de medicamentos divulgada ilegalmente em redes sociais quando se tratou da Covid-19.

O médico e sua família chegaram a receber ameaças de morte.

Uip enviou um ofício pedindo sua desfiliação ao presidente do partido, Marco Vinholi, no dia 27 de outubro, quando o resultado do pleito ainda era incerto.

o Centro de Contingência contra a Covid-19 e depois foi convidado para comandar a secretaria de Ciência, Pesquisa e Desenvolvimento em Saúde.

O nome do médico entrou na lista de cotados para assumir o Ministério da Saúde no novo governo de Lula. Ele é próximo de Alckmin.

A pasta, no entanto, sempre esteve com o PT nos governos do partido, ou foi preenchida por alguém da cota pessoal de Lula.