De olho em 2022, Doria vê Lula 'equilibrado' e chama Bolsonaro de 'psicopata'

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·3 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Brazil's Sao Paulo state governor Joao Doria, wearing a protective mask, gestures during an interview with Reuters at Palacio dos Bandeirantes, the seat of the Sao Paulo State Government in Sao Paulo, Brazil April 20, 2021. Picture taken April 20, 2021. REUTERS/Amanda Perobelli
Segundo Doria, os brasileiros estão preocupados com questões referentes à vacinação contra o coronavírus e a "retomada de seus negócios, da renda que se perdeu" (Foto: REUTERS/Amanda Perobelli)
  • De olho em 2022, Doria vê Lula "equilibrado" e chama Bolsonaro de "psicopata"

  • O governador, que é um nomes dentro do PSDB na prévia do pleito do ano que vem, disse ainda que Bolsonaro "perde um degrau na escada do segundo turno a cada dia que passa"

  • Doria, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, o senador do Ceará Tasso Jereissati e o ex-prefeito de Manaus Arthur Virgílio, disputam as prévias para definir o candidato do PSDB nas eleições

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou nesta quinta-feira (22) acreditar que um possível segundo turno na disputa à presidência da República em 2022 deverá ser entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e outro político que não Jair Bolsonaro (sem partido).

Em entrevista ao jornal Valor Econômico, Doria avaliou que Lula se "mantém equilibrado", enquanto Bolsonaro "perde um degrau na escada do segundo turno a cada dia que passa". O governador, que é um nomes dentro do PSDB na prévia do pleito do ano que vem, chamou ainda Bolsonaro de "psicopata".

Leia também:

"O ex-presidente Lula mantém-se equilibrado e numa linha de estabilidade que poderá levá-lo ao segundo turno com outro candidato que não Bolsonaro, e esse outro candidato poderá ser exatamente um candidato da 'melhor via', que seja capaz de dialogar com consistência com outros partidos e trabalhar para um projeto pelo Brasil", disse o governador. 

Segundo Doria, os brasileiros estão preocupados com questões referentes à vacinação contra o coronavírus e a "retomada de seus negócios, da renda que se perdeu". 

As pesquisas de intenções de votos mostram que 50% dos brasileiros não apoiam nem Lula nem Bolsonaro, classificados como "indecisos".

"A meu ver, a cada dia que passa o presidente Bolsonaro perde um degrau na escada que poderia conduzi-lo ao segundo turno", disse Doria.

Supporters of Presidential candidate Jair Bolsonaro are seen in front of the Albert Einstein hospital after he was stabbed by a man in Juiz de Fora, in Sao Paulo, Brazil September 7, 2018. REUTERS/Nacho Doce
Supporters of Presidential candidate Jair Bolsonaro are seen in front of the Albert Einstein hospital after he was stabbed by a man in Juiz de Fora, in Sao Paulo, Brazil September 7, 2018. REUTERS/Nacho Doce

Bolsonaro é um "psicopata que não toma decisões normais"

O tucano disse ainda que o presidente Bolsonaro é um "psicopata, e um psicopata não toma decisões normais, não raciocina com normalidade, não costuma ouvir nem aceitar conselhos, que trabalha por instinto, um instinto belicoso, fracionado, criador de problemas".

"Cada vez que fala gera uma onda contra ele. Bolsonaro é o maior produtor de fatos contra ele. Não estamos diante de um presidente normal, que às vezes erra. Estamos diante de um anormal, que comete sucessivos equívocos. Alguém deve ter dito a ele 'destrua o Brasil'. E ele está destruindo'", afirmou.

Candidatos do PSDB para 2022

Doria, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, o senador do Ceará Tasso Jereissati e o ex-prefeito de Manaus Arthur Virgílio, disputam as prévias para definir o candidato do PSDB nas eleições de 2022. 

Segundo Doria, essa disputa é bem vinda internamente. Ele disse acreditar no "processo democrático", e descartou a possibilidade de, caso seja eleito para a disputa, passe a ser "cristianizado" pela bancada de deputados tucanos.

Na entrevista, ele apontou que o candidato escolhido nas prévias sairá "fortalecido para ampliar o diálogo com outros partidos do chamado polo democrático, e isso vai fortalecer aquilo que tenho classificado como a 'melhor via' e não a terceira via". 

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos