Debate na Globo: Veja como foi o segundo bloco

Participaram do debate na Globo: Jair Bolsonaro, Padre Kelmon, Felipe D'Ávila, Soraya Thronicke, Lula, Simone Tebet e Ciro Gomes (Foto: Globo/João Miguel Júnior)
Participaram do debate na Globo: Jair Bolsonaro, Padre Kelmon, Felipe D'Ávila, Soraya Thronicke, Lula, Simone Tebet e Ciro Gomes (Foto: Globo/João Miguel Júnior)

No segundo bloco do debate que acontece na TV Globo nesta quinta-feira (29), foram sorteados temas para que os candidatos perguntassem uns aos outros. O primeiro tema eram as cotas raciais. Felipe D'Ávila (Novo) não fez perguntas sobre o tema, apenas citou o termo, para questionar Lula (PT) sobre corrupção.

O petista, por outro lado, falou sobre a importância das cotas como reparação histórica pela escravidão e inclusão de pessoas pretas e pobres na universidade. D'Ávila não citou as cotas raciais na resposta e citou números para acusar Lula de casos de corrupção. O petista, então, disse que quer cuidar do povo para que todos possam se alimentar.

O segundo tema sorteado foi a questão das mudanças climáticas. Simone Tebet (MDB) escolheu Jair Bolsonaro (PL) para perguntar. O questionamento foi sobre o desmatamento e perguntou o que ele faria de diferente. O presidente afirmou que o Brasil é um "exemplo para o mundo" em relação à sustentabilidade e disse que o fogo é "natural". Bolsonaro acusou Tebet de ter "ciúmes de Teresa Cristina, que tirou a vaga dela no Senado pelo Mato Grosso do Sul".

Bolsonaro ironizou as colocações de Tebet: "Então, a falta de chuva é culpa minha", disse, entre risadas. O Brasil é alvo de críticas no cenário político internacional pelo desmatamento ilegal.

Padre Kelmon chamou Ciro Gomes para fazer uma pergunta sobre educação - a ideia era chamar Lula, mas o ex-presidente já havia sido questionado. Kelmon leu uma pergunta, na qual chamou as universidades de antros "de militantes do PT".

Em seguida, Soraya Thronicke (União Brasil) teve de fazer uma pergunta sobre combate ao racismo e escolheu o padre Kelmon - a quem chamou de "candidato padre". Soraya falou sobre problemas no governo Bolsonaro na temática do preconceito. Kelmon afirmou que não se pode "criar políticas que criam mais divisão" e declarou que raça "só existe uma, só existe a humana". A candidata do União Brasil o chamou de "padre de festa junina".

Jair Bolsonaro teve de perguntar sobre relação com o Congresso e escolheu Felipe D'Ávila. O presidente disse que o relacionamento com o Congresso é difícil e declarou que "acabou com o toma lá, dá cá". D'Ávila declarou que qualquer esquema do tipo é lamentável e lembrou do orçamento secreto. "Virou essa moeda de troca", afirmou. "Me entristece a questão dos aliados. Quando se começa a fazer uma base aliada com ex-mensaleiros, fica difícil governar", declarou D'Ávila que, em seguida, elogiou Romeu Zema (Novo) pelo governo em Minas Gerais.

Bolsonaro disse que tentou vetar o orçamento secreto e culpou os relatores de Câmara e Senado e negou ser conivente.

Lula perguntou para Simone Tebet sobre meio ambiente e questionou quais seriam as propostas dela para reverter a mudança climática. Tebet criticou Bolsonaro, o acusou de ter mentido sobre o desmatamento e prometeu que, em um eventual governo dela, o desmatamento ilegal seria intolerável, e Lula disse o mesmo.

A última pergunta foi de Ciro Gomes para Soraya Thronicke e o tema era emprego. Ciro falou sobre a ideia de refinanciar dívidas e estabelecer uma política de renda mínima, além de criar 5 milhões de empregos em 2 anos.

Quem está participando do debate da Globo?

Participam do debate da Globo nesta quinta os seguintes candidatos à Presidência:

  • Lula (PT)

  • Jair Bolsonaro (PL)

  • Ciro Gomes (PDT)

  • Simone Tebet (MDB)

  • Soraya Thronicke (União Brasil)

  • Felipe d'Avila (Novo)

  • Padre Kelmon (PTB)

Veja as regras do debate da Globo:

O posicionamento dos candidatos foi definido por ordem alfabética do primeiro nome. Da esquerda para a direita, estarão Ciro Gomes (PDT), Jair Bolsonaro (PL), Padre Kelmon (PTB), Luiz Felipe D’Ávila (Novo), Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Simone Tebet (MDB) e Soraya Thronicke (União Brasil).

Veja as últimas pesquisas eleitorais para presidente:

O debate terá quatro blocos: o primeiro e o terceiro com temas livres; o segundo e o quarto com temas determinados. Ao final do quarto bloco, cada candidato fará suas considerações finais.

  • Primeiro bloco: tema livre

  • Segundo bloco: temas determinados

  • Terceiro bloco: temas livres

  • Quarto bloco: temas determinados

Os candidatos terão 30 segundos para fazer as perguntas e um minuto para a réplica, enquanto o candidato que responde terá três minutos, que poderá dividir como quiser, entre a resposta e a tréplica.

As perguntas, em ordem sorteada previamente, serão feitas sempre de candidato para candidato. O candidato escolhe para quem direciona sua pergunta, entre os que ainda não tiverem respondido naquele bloco. No bloco de temas determinados, a mecânica é a mesma, com o mediador sorteando em uma urna, antes das perguntas, o tema que deverá ser abordado.