Debate presidencial inédito antes de eleição mais incerta da história da França

Por María Elena BUCHELI
(A partir da esquerda) Nathalie Arthaud, Francois Asselineau, Jacques Cheminade, Nicolas Dupont-Aignan, François Fillon, Benoît Hamon, Jean Lassalle, Marine Le Pen, Emmanuel Macron, Jean-Luc Mélenchon e Philippe Poutou

Os 11 candidatos da eleição presidencial da França se encontrarão nesta terça-feira em um debate inédito na televisão, com o objetivo de conquistar os indecisos, que alcançam um índice recorde, a três semanas do primeiro turno, em 23 de abril.

As pesquisas apontam que os dois grandes partidos tradicionais, que se alternaram no poder nas últimas décadas - o Partido Socialista e o conservador Os Republicanos - devem ficar de fora do segundo turno, programado para 7 de maio.

Praticamente empatados nas pesquisas de opinião com quase 25% das intenções de voto, o candidato centrista Emmanuel Macron e a representante da extrema-direita Marine Le Pen tentarão consolidar seus nomes como favoritos no debate, que reunirá pela primeira vez todos os aspirantes ao cargo de chefe de Estado.

François Fillon, o candidato do grande partido de direita Os Republicanos, que caiu para o terceiro lugar nas pesquisas (17%) ao ser afetado por um escândalo de supostos empregos fictícios pelo qual foi indiciado pela justiça, tentará convencer os franceses que seu programa de austeridade é o melhor para estimular o crescimento e promover o emprego.

O líder da esquerda radical Jean-Luc Mélenchon subiu para o quarto lugar com 15% das intenções de voto, superando o candidato do governante Partido Socialista, Benoît Hamon, que nas últimas semanas foi abandonado por figuras importantes da esquerda.

Melenchon, líder da "França Insubmissa", espera manter a dinâmica eleitoral favorável e superar Fillon nas próximas semanas.

Os outros seis candidatos, que têm menos de 5% das intenções de voto, pretendem divulgar seus nomes entre os franceses em um debate de mais de três horas que se concentrará em três temas: emprego, segurança e assuntos sociais.