'Deboche' de Bonner e Renata no JN preocupa mais o PT do que perguntas da Lava Jato

Aliados de Lula não sabem como ele poderá reagir a atitude debochada observada em Bonner na entrevista com Bolsonaro. (Foto: REUTERS/Carla Carniel)
Aliados de Lula não sabem como ele poderá reagir a atitude debochada observada em Bonner na entrevista com Bolsonaro. (Foto: REUTERS/Carla Carniel)

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) será sabatinado pelo Jornal Nacional, da Rede Globo, nesta quinta-feira (25). O candidato ao Palácio do Planalto passou a última semana se preparando para a entrevista e devo voltar as respostas a questões econômicas. Mas é o tom de deboche dos âncoras William Bonner e Renata Vasconcellos que preocupa a equipe do petista.

Na segunda-feira (22), o atual presidente Jair Bolsonaro (PL) passou pela bancada do JN e a equipe dele reclamou do comportamento dos apresentadores. Na sequência, Ciro Gomes (PDT) foi o entrevistado e a equipe do atual governante reclamou que os dois foram mais amistosos com o pedetista.

A equipe de Lula espera que ele responda às perguntas de forma cordial e até bem humorada. Contudo, segundo informações do UOL, os aliados não sabem como o petista poderá reagir caso Bonner o trate com ironia, como fez com Bolsonaro.

A última aparição de Lula no Jornal Nacional foi em 2006, na segunda disputa presidencial dele. Desde então, ele já foi acusado pela Lava Jato e preso em 2018. Nos discursos, o ex-presidente costuma citar as “mais de cem horas” que o Jornal Nacional o chamou de “ladrão” repetidamente. Aliados do petista têm aconselhado ele a não citar esse número.

Veja como foram as últimas pesquisas eleitorais de 2022:

Economia nos anos petistas

Na entrevista desta quinta, Lula está preparado para focar na economia, fazendo uma comparação entre os anos de gestão dele e de Bolsonaro.

Dentro do tema, o petista deve abordar preço dos alimentos e comparação de câmbio, desemprego e pessoas abaixo da linha da pobreza. A avaliação da campanha é de que o ex-presidente consegue se comunicar melhor com o eleitor médio dentro desse assunto.

Programas bem sucedidos como o Bolsa Família, Minha Casa, Minha Vida também deverão ser citados.

Sobre as acusações da Lava Jato e a prisão em 2018, Lula vai lembrar que o ex-juiz Sergio Moro foi considerado nos processos já anulados. Sobre os casos de corrupção, vai focar nos mecanismos criados pelos governos petistas, como o Portal da Transparência.

Além disso, o candidato está pronto para alfinetar Bolsonaro e dizer que a Polícia Federal foi independente nas suas gestões e que a lista tríplice da Procuradoria Geral da República era respeitada.

SABATINA DO JORNAL NACIONAL

O Jornal Nacional, da TV Globo, realiza tradicionalmente a sabatina de perguntas com os candidatos à Presidência da República mais bem colocados nas pesquisas eleitorais.

A condução dos questionamento é feita pelos apresentadores do Jornal Nacional: William Bonner e Renata Vasconcellos. As entrevistas ocorrem nos estúdios da Globo no Rio de Janeiro.

A sabatina pela qual os candidatos serão submetidos é considerada fundamental por estrategistas das campanhas, que veem uma boa possibilidade de conseguir "furar a bolha" e expor suas ideias no telejornal de maior audiência do país. As sabatinas do Jornal Nacional preveem 40 minutos de participação de cada candidato.

Veja como foi a sabatina de Jair Bolsonaro no Jornal Nacional

Veja como foi a sabatina de Ciro Gomes no Jornal Nacional

O primeiro presidenciável entrevistado foi o atual presidente e candidato à reeleição Jair Bolsonaro (PL). Bolsonaro abriu a série de entrevistas na segunda-feira (22). Ciro Gomes, do PDT, foi o entrevistado de terça (23). Luiz Inácio Lula da Silva (PT) participa nesta quinta (25) e Simone Tebet (MDB) fechará a série, na sexta (26).

A seleção dos candidatos teve por base as cinco melhores colocações na pesquisa eleitoral divulgada pelo Datafolha em 28 de julho: Lula, Bolsonaro, Ciro, Tebet e André Janones (Avante). Janones, no entanto, decidiu retirar sua candidatura.

A ordem das entrevistas e as datas foram decididas em um sorteio realizado em 1º de agosto com representantes dos partidos.