A decisão de vender Cristiano Ronaldo foi uma das mais loucas da história do futebol

Chiellini comemora aliviado por ter CR7 ao seu lado na Juventus; jogadores já se enfrentaram em decisões da Champions League

Arrogância, fé excessiva ou apenas estupidez, a decisão do Real Madrid em deixar Cristiano Ronaldo deixar o estádio Santiago Bernabéu antes da atual temporada é, com certeza, uma das piores escolhas na história do futebol.

Isso fica ainda mais evidente agora, na metade da temporada europeia, com o Madrid sem opções de finalização para leva-los além neste momento de transição. Enquanto isso, CR7 segue a colecionar seus gols – agora na Itália.

Tudo bem que é raro deparar-se com uma oferta de 100 milhões de euros por um atleta de 33 anos, mas perder o maior artilheiro da própria história, ídolo e referência em campo, demonstrou um vazio que o Real Madrid não conseguiu preencher com o valor pago pela Juventus.

Sem uma contratação ‘galáctica’ como Neymar ou Mbappé, eles trouxeram apenas Mariano Diaz, que retornou após um período no Lyon e ainda escolheu a camisa 7 que ficou vaga.  Ao final da temporada, o atacante talvez não tenha passado de cinco tentos – até o momento fez apenas um.

Na Liga Espanhola o time inteiro fez 26 gols. O Barcelona, líder, tem 50 e se somarmos apenas os tentos de Messi e Suárez, a dupla sul-americana dos catalães balançou mais as redes (28) do que os merengues. A falta que Cristiano faz é evidente, e na quinta posição do certame a chance de não se classificar para a próxima edição da Champions League é tão real quanto seria catastrófica.

Presidente do clube, Florentino Pérez acertou ao notar que o seu elenco precisa de rejuvenescimento. O grupo que fez história ao conquistar a Europa quatro vezes nos últimos cinco anos vai, uma hora, se desfazer. Mas Cristiano Ronaldo deveria ser o último a deixar o clube, não o primeiro.

Na Itália, Cristiano Ronaldo lidera a artilharia com 14 gols e cinco assistências pela Juve na Serie A. Na Espanha, nenhum jogador do Real Madrid supera os sete tentos (número alcançado por Benzema). É isso mesmo: o português tem o dobro na comparação com seus ex-companheiros.

Cristiano Ronaldo não estava absolutamente satisfeito com o Real Madrid na temporada passada. Queria mais dinheiro depois que Neymar recalibrou a balança dos salários astronômicos na Europa. Queria mais proteção do clube em meio às acusações de evasão fiscal do governo espanhol. A situação não foi resolvida porque Florentino Pérez não achou que CR7 valeria mais gastos.

Que erro!!! Um equívoco infantil, inacreditável para um clube que propagava aos sete ventos ter o “melhor do mundo”.

A atual temporada pode ser a pior, mais catastrófica do Real Madrid, na história moderna do clube. Florentino deveria ter confiado, investido e pagado ao astro português. E agora o cartola vê em campo o ônus de seu erro.