Decisores mundiais debatem guerra na Ucrânia

No discurso de abertura do Fórum Económico Mundial (FEM) em Davos, na Suíça, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, afirmou: "A reação da Europa à guerra é o mais recente exemplo de como a nossa união se uniu quando é mais importante".

Passou quase um ano desde a invasão da Ucrânia pela Rússia e a guerra está a ter um impacto enorme, não só na Ucrânia mas também em toda a Europa e em todo o mundo.

Quais são as vias políticas a abordar e os pontos de vulnerabilidade a abordar na Europa, à medida que a guerra movida pela Rússia, sem responder a qualquer provocação, se desenrola? E é isto que vamos discutir. Este é um debate da Euronews no âmbito do FEM, animado pela jornalista Sasha Vakulina e com o seguinte painel:

  • Sanna Marin, primeira-ministra da Finlândia,

  • Gregory Meeks, congressista de Nova Iorque, membro do Comité dos Negócios Estrangeiros da Câmara dos Representantes dos EUA,

  • Maia Sandu, Presidente da República da Moldávia e

  • Jean-Pierre Clamadieu, Presidente do Conselho de Administração do Grupo Engie.

Debate

Em que medida é que a guerra resultou em grandes mudanças em todos estes aspetos: laços e ligações económicas, políticas e militares em toda a Europa? De que forma podemos esperar que estas ligações continuem a evoluir este ano, já que vamos entrar no ano dois da guerra na Europa?

Sanna Marin:

Concordo plenamente com Ursula von der Leyen. A guerra não está apenas a afetar a Ucrânia, afeta toda a Europa, o mundo inteiro na realidade.

Estamos a assistir a esta mudança geopolítica no mundo e há uma guerra de valores a decorrer no mundo. A ordem baseada em regras está a ser desafiada e isso afeta toda a gente: não só a Ucrânia, mas toda a gente no mundo. A guerra também afeta a Europa de formas muito concretas. Estamos também não só em guerra na Ucrânia, mas também numa guerra energética na Europa. A Rússia está a utilizar a energia como instrumento, como arma contra a Europa, e tenta diminuir o nosso apoio à Ucrânia. Putin tenta fazer-nos temer a Rússia, em relação ao que poderá acontecer. Ele quer que nós e os nossos cidadãos pensemos: Quais são os preços da guerra? E já estamos a ver as pessoas frustradas com os elevados preços da energia em toda a Europa.

Mas a resposta não é enfraquecer o nosso apoio à Ucrânia. A resposta tem de ser o oposto. Precisamos de enviar mais apoio à Ucrânia, mais armas, mais ajuda humanitária, mais ajuda financeira para garantir que a guerra acabe o mais depressa possível e para uma vitória ucraniana. Isso é crucial. Assim, a nossa resposta à forma como Putin está a usar a energia contra a Europa deveria ser enviar mais apoio à Ucrânia.

Presidente Sandu, a par das perturbações socioeconómicas, quais são os outros pontos-chave da vulnerabilidade na Europa como consequência da guerra e o que está a ser feito para mitigar essas vulnerabilidades? Porque o seu país tem uma posição muito específica no que toca a esta guerra na Europa e à agressão da Rússia à Ucrânia...

Maia Sandu:

É claro que a Moldávia era mais vulnerável porque dependia a 100% da compra de gás russo antes do início da guerra. Agora só recebemos 40% das nossas necessidades de gás da Gazprom, e conseguimos rapidamente diversificar e encontrar outras fontes para fornecer energia ao país. A propaganda e desinformação é uma questão muito importante para o meu país. Mas penso que esta é uma questão importante para muitos países e precisamos de aprender a ser mais eficientes para lidar com ela, no que toca à segurança cibernética.

Concordo plenamente com a questão de que a Rússia contava chantagear-nos com a crise energética e a Europa conseguiu encontrar uma solução. E isto não foi fácil. E sim, temos de pagar um preço e sentimo-nos mal por o nosso povo ter de pagar um preço elevado. Mas nós acreditamos na democracia. Valorizamos a democracia. Queremos fazer parte do mundo livre. E a única solução é ficarmos juntos. Sim, é difícil, mas temos de ajudar a Ucrânia a vencer esta guerra porque, caso contrário, todos nós estaremos em perigo.

Queremos fazer parte do mundo livre.

Sr. Clamadieu, quais os fatores subjacentes à atual situação económica e potencial recessão que a Europa enfrenta? Acha que são mais exacerbados pela guerra? E até que ponto irá a recuperação económica da Europa depender dos resultados desta guerra?

Jean-Pierre Clamadieu:

Estamos hoje numa situação em que estou bastante confiante para dizer que não haverá perturbações no fornecimento de energia, nem de gás nem de eletricidade na Europa durante os últimos meses de inverno. Os preços estão a começar a baixar. Não estamos de volta ao ponto onde estávamos há dois anos, mas estamos de volta a um nível que é um pouco mais sustentável. E não quero minimizar o impacto deste conflito. Obviamente, isto cria grandes questões de competitividade para as indústrias da Europa em relação aos Estados Unidos. Penso que levará provavelmente mais dois anos até que o fluxo de gás natural liquefeito (GNL) esteja novamente a oferecer visibilidade aos consumidores europeus. Mas, graças ao alinhamento dos decisores políticos e das indústrias, conseguimos atravessar este ano de 2022 provavelmente muito melhor do que esperávamos quando este conflito começou.

Não haverá perturbações no fornecimento de energia, nem de gás nem de eletricidade na Europa durante os últimos meses de inverno

No dia 24 de fevereiro dentro passa um ano desde o início desta guerra. Todos querem saber - é uma pergunta para mil milhões de dólares ou mais - quanto tempo a situação vai durar e como vai evoluir...

Sanna Marin:

Temos de dizer muito francamente e em voz alta que apoiaremos a Ucrânia enquanto for necessário. Não há um cenário ou possibilidade de que o apoio da Europa, do mundo ocidental ou das democracias venha a diminuir. Isso não é uma possibilidade. Apoiaremos o tempo que for necessário: cinco anos, dez anos, quinze anos... o que for preciso. Apoiaremos a Ucrânia e isto não vai parar.

Cabe aos ucranianos decidir quando estão prontos para negociar, quando estão prontos para fazer algum acordo de paz. E nós apoiaremos. O nosso trabalho é apoiá-los. Já estamos a enviar armas e precisamos de enviar armas cada vez mais avançadas. Precisamos de continuar a enviar apoio financeiro e apoio humanitário, levando refugiados da Ucrânia e impondo sanções cada vez mais pesadas contra a Rússia.

Mas uma coisa que pode afetar a situação são os bens congelados. Há muitos bens congelados do Banco Central Russo, muitos bens congelados de oligarcas. Precisamos de encontrar soluções para a utilização destes bens. Sei que legalmente - e de um ponto de vista jurídico - é uma questão muito difícil. Mas penso que precisamos de encontrar soluções.

Como utilizar estes fundos para apoiar a Ucrânia, para reconstruir a Ucrânia? Penso que isso pode afetar a guerra mais do que pensamos, porque há muitos interesses por detrás destes bens e deste dinheiro. Portanto, penso que isso pode influenciar a situação. Não resolve tudo, mas penso que é a única coisa que ainda não utilizámos. Precisamos de encontrar um quadro legal para o fazer, para utilizar esses bens para apoiar a Ucrânia.

Este processo de reconstrução não está a ser adiado. Não é quando a guerra acabar que isso vai acontecer. Todos aqueles que visitaram o país sabem que ele já começou passo a passo. Nas regiões, nos subúrbios. Os locais que foram libertados já estão a ser reconstruídos. É algo que já está em curso e que vai estar em foco este ano. Gregory Meeks, qual é a sua avaliação das possíveis trajetórias que a guerra na Ucrânia poderá tomar em 2023 e que possíveis trajetórias poderá a NATO tomar também?

Gregory Meeks:

Penso que continuará a ver a Ucrânia a ganhar esta guerra e a lutar enquanto lhes dermos as munições e do que precisam para lutar. Porque essa determinação não vai mudar. Isso é inabalável. E como a primeira-ministra acabou de indicar, o que é absolutamente devastador para Putin é a nossa sólida unidade. Ele espera e procura formas de a abalar.

Eu penso que a propaganda russa vai ser derrotada, avançando. Quando falei com algumas pessoas, mesmo nos Estados Unidos, ouvindo a propaganda, pensaram que, como a Rússia estava a dizer, era a Ucrânia que estava a ser a agressora. Obviamente, não é verdade.

Vejo-nos a aproximar-nos e a trazer outros aliados de outras áreas do mundo. Porque, à medida que isto se intensifica e eles veem as crises humanitárias que estão a ocorrer, quando veem que as pessoas são forçadas, que estão a ser utilizadas, os civis estão a ser utilizados, mortos, congelados até à morte em tempo frio... Quando veem os perigos humanos que têm vindo a ocorrer e o ato criminoso humanitário que Putin está a cometer, isso vai aproximar-nos ainda mais.

As pessoas têm falado das mudanças no Congresso dos EUA. Agora, na Câmara dos Representantes, há uma cisão. Mas o povo norte-americano, esmagadoramente, democratas e republicanos, está concentrado em apoiar fortemente a Ucrânia. E isso só se vai intensificar à medida que avançarmos, o que me faz acreditar que conduzirá ao sucesso a longo prazo à medida que atravessarmos o inverno e nos dirigimos para o verão.

A propaganda russa vai ser derrotada.

Como consequência da guerra, todos nós temos também uma maior apreciação das alianças, sendo a NATO uma delas. Quando a Finlândia e a Suécia anunciaram a aspiração à NATO, houve um tweet que dizia que o que Putin tentou fazer foi uma “finlandização” da Ucrânia, mas em vez disso, acabou por fazer uma “ucranização” da Finlândia e da Suécia. Agora, estão a caminho da NATO. Como está a correr o processo? A aspiração da Suécia e da Finlândia à NATO aconteceu em resposta à guerra na Ucrânia. Como é que está a correr? Como está a decorrer a cooperação e a solidariedade? Porque não o está a fazer sozinha, mas de mãos dadas com a Suécia...

Sanna Marin:

A atmosfera finlandesa e a mentalidade das pessoas mudou ao mesmo tempo, quando a Rússia atacou a Ucrânia. Antes desse momento, se perguntassem ao povo finlandês se achavam que a Finlândia devia aderir à NATO, a maioria teria dito não. Temos a possibilidade de nos candidatar. É muito importante que tenhamos essa possibilidade. Mas não tivemos essa discussão ativa, antes. E se perguntassem à maioria do povo finlandês ou ao parlamento, eles teriam dito: "Não, não vemos que nos devamos candidatar agora à adesão à NATO".

Mas, quando a Rússia atacou a Ucrânia, tudo mudou. O mundo mudou. O nosso vizinho já não era o mesmo. Era um vizinho agressivo, que atravessou aquela fronteira. E os finlandeses perguntaram-se qual a fronteira que a Rússia não iria atravessar. Essa é a fronteira da NATO. Por isso, o povo finlandês quis que fôssemos para a NATO. 188 parlamentares dos 200 votaram a favor da adesão à NATO. Não temos 100%, mas temos esta unidade na Finlândia. Temos esta coesão e consenso sobre a candidatura à NATO. Também estou muito satisfeita por termos tomado esta decisão ao mesmo tempo que os nossos vizinhos suecos, porque partilhamos a mesma atmosfera geopolítica, o mesmo ambiente de segurança geopolítica.

Há uma fronteira que a Rússia não vai querer passar: É a fronteira da NATO.

Por isso, penso que da perspetiva da NATO também é muito importante que a Finlândia e a Suécia estejam a candidatar-se e a aderir em conjunto. É claro que há dois países que ainda não ratificaram: a Hungria e a Turquia. E falei, por exemplo, com o primeiro-ministro Orbán sempre que nos reunimos no Conselho Europeu. Ele disse que irão ratificar assim que o parlamento iniciar o seu mandato nesta primavera, esperemos que muito em breve. Na Turquia, ainda não temos esse calendário. Naturalmente, esperamos que isso aconteça mais cedo do que tarde. Estamos a cumprir todos os critérios, estamos a picar todos os pontos necessários para nos tornarmos um membro da NATO.

A Finlândia já está a utilizar mais de 2% do PIB na defesa e já o fazemos há bastante tempo. Estamos a ver um grande apoio do povo ucraniano para lutar pelo seu país. Estão a lutar pela sua liberdade, pela sua independência e pelo seu país. Se perguntarmos ao povo finlandês como está disposto a defender a Finlândia, penso que estamos em primeiro lugar. A Ucrânia é a número dois. Portanto, temos estado em guerra com a Rússia e sabemos como isso é. E não queremos nunca mais que haja uma guerra em solo finlandês. É por isso que estamos a candidatar-nos à NATO, para que não volte a haver uma guerra na Finlândia. Essa é a fronteira que a Rússia não atravessa. É por isso que nos estamos a candidatar à NATO.

Presidente Sandu, a Moldávia está a candidatar-se à União Europeia. É uma outra aliança. Qual a importância disso? Como mudou a opinião neste sentido? Porque a Moldávia também já teve algumas sondagens de opinião que nem sempre apoiaram a ideia. A questão da propaganda, que Gregory Meeks referiu há pouco, é algo pelo qual a Moldávia tem passado ao longo dos anos…

Maia Sandu:

Na verdade, acredito que a oportunidade de a Moldávia sobreviver como democracia está apenas dentro da União Europeia e é preciso ser realista sobre o que vai acontecer na nossa região nos próximos 10 ou 15 anos. É claro que todos esperamos uma vitória rápida da Ucrânia e isso vai acontecer. Mas devemos esperar ver a Rússia tornar-se um país democrático muito em breve. Isto significa que os desafios para a região vão continuar a existir. A Moldávia sobreviveu, conseguiu lidar com os desafios de que falou no início, em grande medida graças ao apoio que recebemos da UE e dos parceiros de desenvolvimento. Estamos muito gratos.

É importante ter uma Moldávia estável. É importante para nós, é importante para a Ucrânia, é importante para a União Europeia. Para a UE, é importante ter uma Ucrânia pacífica e estável. É por isso que o alargamento da UE é importante. Penso que a Ucrânia provou que está a pagar o preço mais alto pela democracia e pelos valores da UE. Os moldavos têm feito o seu melhor. E sim, a propaganda ainda é forte e nós estamos a combatê-la. Mas temos mais de 70% das pessoas ao longo dos anos a apoiar a ideia da adesão, apesar da propaganda, apesar da pobreza e dos muitos problemas que temos vindo a enfrentar. Temos este apoio constante à integração na UE. Penso que o gesto recente da generosidade demonstrada pelo povo moldavo, quando conseguiu ajudar 600.000 a 700.000 refugiados ucranianos, mostra que valorizamos os valores da União Europeia. Nós valorizamos a paz e a liberdade. Portanto, o alargamento da União Europeia torná-la-á mais forte, porque a UE precisa de uma Ucrânia pacífica e estável, da Moldávia e dos restantes países que aspiram à adesão.

Pensa, a longo prazo, que a Moldávia pode aspirar a uma adesão à NATO?

Maia Sandu:

Sentimos como somos vulneráveis. A Ucrânia está a defender-nos literalmente e nós estamos a tomar medidas para melhorar o nosso setor da defesa. Mas somos muito realistas quanto ao que podemos fazer. Somos um país democrático e temos de ter essa discussão. Deve haver apoio popular. Estamos agora a ter esta discussão séria sobre se podemos, por nós próprios, defender-nos num mundo novo, em que vemos que a guerra é um perigo real.

Como é que o impacto da guerra na Ucrânia remodelou a paisagem energética global e quais são as suas expectativas quando se trata de acelerar esta transição para longe da dependência dos combustíveis fósseis russos, mas também uma transição em geral?

Jean-Pierre Clamadieu:

Penso que o desafio para a Europa é garantir que podemos reforçar o nosso sistema energético e isto está completamente alinhado com a necessidade de acelerar a transição energética. Não temos quaisquer recursos fósseis na Europa. Temos um pouco de carvão, mas não é algo que queiramos desenvolver. Portanto, o desafio agora é garantir que podemos acelerar o desenvolvimento das energias renováveis. A UE tem uma agenda, a agenda Fit for 55. Temos de garantir que a situação atual, a atenuação de uma crise, não abranda esta agenda. Pelo contrário. O que vemos hoje é uma série de decisões que devem criar as condições para acelerarmos o desenvolvimento das energias renováveis, do armazenamento, do hidrogénio... Com este objetivo de acelerar a transição energética, isto irá ajudar-nos a alcançar a independência estratégica. É algo de que precisamos absolutamente.