Defesa diz que Michelle Bolsonaro não é apoiadora comum em propaganda

Michelle Bolsonaro durante evento em Novo Hamburgo, Rio Grande do Sul, em 3 de setembro de 2022 (Foto: SILVIO AVILA/AFP via Getty Images)
Michelle Bolsonaro durante evento em Novo Hamburgo, Rio Grande do Sul, em 3 de setembro de 2022 (Foto: SILVIO AVILA/AFP via Getty Images)

Após o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) acatar o pedido da senadora e presidenciável Simone Tebet (MDB) e ordenar a suspensão da propaganda eleitoral somente com Michelle Bolsonaro, alegando que a primeira-dama excedeu o tempo limite que poderia aparecer na peça como “apoiadora”, a defesa do presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou que vai dizer à justiça eleitoral que Michelle não é uma apoiadora comum.

Na decisão, a ministra Maria Claudia Bucchianeri disse que a participação da primeira-dama, “embora legítima, não poderia ter ultrapassado os 25% do tempo da propaganda na modalidade inserção”.

À coluna da jornalista Brasília Rodrigues, da CNN Brasil, os advogados justificam que a participação de Michelle em mais de 25% do horário eleitoral acontece porque ela não é uma apoiadora comum.

“O tribunal não fixou balizas seguras sobre esse assunto. Perguntamos ao TSE para dar oportunidade do tribunal construir uma métrica sobre todas candidaturas", afirmou Tarcísio Vieira, ex-ministro do TSE e advogado da campanha de Bolsonaro.

"Não posso acreditar que haja um rosário de punições para um candidato e não haja para outro que pratique a mesma coisa”, acrescentou.

Qual a data das Eleições 2022?

O primeiro turno das eleições será realizado no dia 2 de outubro, um domingo. Já o segundo turno – caso necessário – será disputado no dia 30 de outubro, também um domingo.

Veja a ordem de escolha na urna eletrônica nas Eleições 2022

  1. Deputado federal (quatro dígitos)

  2. Deputado estadual (cinco dígitos)

  3. Senador (três dígitos)

  4. Governador (dois dígitos)

  5. Presidente da República (dois dígitos)