Defesa de Kirchner apresenta argumentos em julgamento por corrupção

A vice-presidente da Argentina, Cristina Kirchner, iniciou a argumentação de sua defesa nesta segunda-feira (19), por meio da intervenção de seus advogados, em um julgamento por suposta corrupção em que o Ministério Público pediu uma pena de 12 anos de prisão e inabilitação política perpétua para a ex-presidente.

"Houve interferência indevida do poder político na tramitação do processo", afirmou o advogado Carlos Beraldi na audiência realizada à distância, que durou mais de seis horas, nesta segunda-feira.

Kirchner, 69 anos, presidente entre 2007 e 2015 e figura política de peso do peronismo, é acusada de associação ilícita e administração fraudulenta agravada, por supostamente ter orientado a atribuição de licitações de obras públicas na província de Santa Cruz (sul), seu berço político, para favorecer o empresário Lázaro Baéz.

Em sua defesa, Beraldi sustentou que "os auditores disseram que não há indícios de deficiências nos contratos e obras e determinaram que as incongruências nas obras não são consideradas relevantes".

Ao longo do julgamento, no qual outras 12 pessoas são acusadas, a defesa da vice-presidente contestou os juízes e promotores envolvidos no caso por considerar que eles têm ligação com o ex-presidente liberal Mauricio Macri, mas esses recursos não prosperaram.

No final da audiência desta segunda-feira, Kirchner comentou no Twitter que Beraldi "provou de forma documentada - como deve ser feito em qualquer julgamento - que (os promotores) Diego Luciani e Sergio Mola mentiram descaradamente".

O veredito, que pode ser apelado, deve ser conhecido até o fim do ano. Kirchner goza de imunidade parlamentar que a isenta de ser detida ou politicamente inabilitada até que a Suprema Corte argentina emita uma sentença final contra ela.

Uma segunda audiência será realizada nesta terça-feira com os argumentos de defesa de Kirchner. Na sexta-feira, acontecerá a terceira e última audiência, na qual acredita-se que a própria vice-presidente, que é advogada de profissão, poderá intervir.

Kirchner foi inocentada em vários casos por supostos crimes ocorridos quando ela era presidente, mas ainda enfrenta cinco processos.

dm-nn/sa/ll/am/lb