Defesa de Lula diz que decisão do STF é revigorante e prova que Moro atuou como adversário político

CAROLINA LINHARES
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A defesa do ex-presidente Lula (PT) afirmou em nota, na noite desta terça-feira (23), que a decisão da Segunda Turma do STF (Supremo Tribunal Federal) de declarar o ex-juiz Sergio Moro suspeito é "histórica e revigorante". Para os advogados Cristiano Zanin Martins e Valeska Martins, a suspeição de Moro, responsável pelas condenações do petista nas ações da Lava Jato em Curitiba, comprova que o ex-juiz atuou como adversário político de Lula. A defesa do petista lembrou, na nota, que, desde 2016, vem apontando a imparcialidade do então juiz Moro. Os advogados afirmam que a decisão do STF "é histórica e revigorante para o Estado de Direito e para o devido processo legal". "Em outras palavras, sempre apontamos e provamos que Moro jamais atuou como juiz, mas sim como um adversário pessoal e político do ex-presidente Lula, tal como foi reconhecido majoritariamente pelos eminentes ministros da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal", afirma o texto. Cristiano e Valeska declaram ainda que a defesa sofreu uma série de ilegalidades praticadas pela Lava Jato, "como o monitoramento ilegal dos nossos ramais para que os membros da 'operação' pudessem acompanhar em tempo real a estratégia de defesa". "Os danos causados a Lula são irreparáveis, envolveram uma prisão ilegal de 580 dias, e tiveram repercussão relevante inclusive no processo democrático do país. A decisão proferida hoje fortalece o sistema de Justiça e a importância do devido processo legal", afirma ainda a nota. Por fim, a dupla de advogados afirma que a decisão do STF deve servir de guia "para que todo e qualquer cidadão tenha direito a um julgamento justo, imparcial e independente".