Defesa, mesmo sem nenhum indício, diz que seu relatório não descarta fraude nas eleições

***FOTO DE ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF, 08.11.2022 - O presidente do TSE, ministro Alexandre de Moraes. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapres)
***FOTO DE ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF, 08.11.2022 - O presidente do TSE, ministro Alexandre de Moraes. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapres)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Apesar de não ter encontrado nenhum indício de fraude nas eleições, o Ministério da Defesa afirmou nesta quinta-feira (10) que não descarta a possibilidade de fraudes no pleito.

Em nota, a pasta disse que o relatório de seus técnicos em informática, enviado na terça (9) ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral), sugere uma investigação sobre os códigos usados nas urnas para identificar possíveis alterações durante sua geração.

A nota não traz nenhuma informação nova, mas indica uma tentativa de controlar a narrativa sobre o relatório cuja divulgação vinha sendo esperada com grande expectativa pela militância bolsonarista que tem ido às ruas.

Na véspera, o título da nota não falava sobre o teor do documento: "Defesa encaminha ao TSE relatório de fiscalização do sistema eletrônico de votação". Já nesta quinta o novo tom: "Relatório das Forças Armadas não excluiu a possibilidade de fraude ou inconsistência nas urnas eletrônicas".

Também nesta quinta, ao término da sessão plenária do TSE, o presidente do tribunal, Alexandre de Moraes, foi questionado pela imprensa sobre o novo posicionamento da pasta, se haveria alguma providência por parte da corte e se essa polêmica não teria fim. "Já acabou faz tempo", disse o ministro.

Pela manhã, o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse que o papel das Forças Armadas na fiscalização das urnas eletrônicas foi deplorável e o resultado, humilhante. Lula disse ainda que o presidente Jair Bolsonaro (PL) deveria pedir desculpas às Forças Armadas por usá-las.

O Ministério da Defesa tem feito eco a Bolsonaro, que acumula mentiras sobre o sistema eleitoral e foi derrotado pelo ex-presidente Lula (PT) na disputa pela reeleição.

Ao longo deste ano, diferentes episódios envolvendo os militares e a corte eleitoral deram munição ao discurso golpista e mentiroso de Bolsonaro.

Usadas no país desde 1996 sem nenhum registro de fraude até hoje, urnas eletrônicas e sistemas eleitorais brasileiros têm passado por constantes melhorias, pleito após pleito. Parte delas impulsionadas pela contribuição e críticas da comunidade técnica.

"O Ministério da Defesa esclarece que o acurado trabalho da equipe de técnicos militares na fiscalização do sistema eletrônico de votação, embora não tenha apontado, também não excluiu a possibilidade da existência de fraude ou inconsistência nas urnas eletrônicas e no processo eleitoral de 2022", diz o novo posicionamento.

"Em consequência dessas constatações e de outros óbices elencados no relatório, não é possível assegurar que os programas que foram executados nas urnas eletrônicas estão livres de inserções maliciosas que alterem o seu funcionamento", completou.

Na quarta, o Ministério da Defesa enviou ao TSE seu relatório sobre a fiscalização do processo eleitoral sem ter apontado nenhum indício de fraude.

O material entregue à corte aponta que os procedimentos estatísticos ocorreram sem ressalvas e que a análise dos boletins de urnas não identificou divergências. Considera, porém, haver alguns problemas no processo e aponta sugestões de melhorias.

O relatório diz que não foi possível "fiscalizar o sistema [eletrônico de votação] completamente" e sugeriu ao TSE que faça uma investigação técnica para apurar eventuais riscos de mudança no código-fonte dos sistemas eleitorais por causa do possível acesso à rede durante a geração dos programas.

Em nota, o presidente do TSE, Alexandre de Moraes, agradeceu o envio do relatório do Ministério da Defesa e disse que analisará as sugestões em momento oportuno.

"O Tribunal Superior Eleitoral recebeu com satisfação o relatório final do Ministério da Defesa, que, assim como todas as demais entidades fiscalizadoras, não apontou a existência de nenhuma fraude ou inconsistência nas urnas eletrônicas e no processo eleitoral de 2022", disse.

"O TSE reafirma que as urnas eletrônicas são motivo de orgulho nacional, e que as eleições de 2022 comprovam a eficácia, a lisura e a total transparência da apuração e da totalização dos votos", completou.