Delações, financiamento de campanha e eleição de 2014: erros de Haddad na Globonews

Reprodução

Por Leandro Resende e Nathália Afonso

Edição Cris Tardáguila e Natália Leal

O ex-ministro da Educação e ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), candidato à vice-presidente na chapa que o PT registrou no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), foi entrevistado no programa Central das Eleições, da Globonews, na noite da quinta-feira (6).

Na segunda, Kátia Abreu, vice de Ciro Gomes, foi sabatinada, abrindo a série que se estenderá até hoje (7). Na terça, o programa recebeu Ana Amélia, vice de Geraldo Alckmin. Na quarta, foi a vez de Eduardo Jorge, de Marina Silva.

Confira a seguir as checagens que a Lupa fez, a partir de algumas das declarações de Haddad:

“[Na época das eleições de 2016,] o PT estava sozinho, na berlinda, enquanto todas as delações relativas ao PSDB, PP, PMDB estavam represadas”

Fernando Haddad, candidato à vice-presidente pelo PT, em entrevista ao Central das Eleições, da Globonews, no dia 6 de setembro de 2018

FALSO

No período eleitoral de 2016, já era pública a primeira “Lista do Janot”, forma como ficou popularmente conhecida a lista de políticos que a Procuradoria Geral da República pediu que fossem investigados por suposto envolvimento na Operação Lava Jato. Na época, a PGR comandada por Rodrigo Janot pediu ao Supremo Tribunal Federal a abertura de inquérito contra 47 políticos, sendo 7 deles do PMDB, 32 do PP e 1 do PSDB. Ainda completavam a lista seis parlamentares do PT e um do PTB. Procurado, Haddad não retornou.


“Eu sempre fui crítico de financiamento empresarial de campanha”

Fernando Haddad, candidato à vice-presidente pelo PT, em entrevista ao Central das Eleições, da Globonews, no dia 6 de setembro de 2018

CONTRADITÓRIO

Apesar de dizer que sempre foi crítico ao financiamento empresarial de campanha, 9% dos recursos que Haddad arrecadou em 2012 para se eleger prefeito de São Paulo vieram diretamente de empresas. Naquele ano, sua campanha registrou no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) uma receita total de R$ 42,084 milhões, sendo R$ 3,765 milhões oriundos de pessoas jurídicas, entre bancos, seguradoras e empreiteiras.

Os recursos de empresas também chegaram à campanha de Haddad de forma indireta.

A Direção Nacional do PT arrecadou naquele ano R$ 217,1 milhões de empresas e distribuiu essa verba entre todos os candidatos do partido. Ao todo, 285 empresas contribuíram com as campanhas petistas. De forma direta, a Direção Nacional da sigla aportou R$ 13,7 milhões na campanha de Haddad.

O Comitê Financeiro Único do PT da capital paulista contribuiu com R$ 24,2 milhões para a campanha de Haddad naquele ano, o equivalente a 57,8% do total arrecadado pelo petista – também financiado, em boa parte, por recursos de empresas e do Diretório Nacional. Veja os dados completos aqui.

Em 2015, o Supremo Tribunal Federal proibiu doações de empresas às campanhas eleitorais. No ano seguinte, quando concorreu à reeleição e foi derrotado, Haddad arrecadou R$ 7,6 milhões de pessoas físicas. Procurado, Haddad não retornou.

“No dia do anúncio do resultado [das eleições presidenciais] de 2014 já havia contestação do resultado”

Fernando Haddad, candidato à vice-presidente pelo PT, em entrevista ao Central das Eleições, da Globonews, no dia 6 de setembro de 2018

FALSO

A primeira contestação oficial do resultado foi feita quatro dias depois do segundo turno das eleições de 2014. A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) foi reeleita em 26 de outubro daquele ano, derrotando Aécio Neves, candidato do PSDB. No dia 30 daquele mês, o deputado federal Carlos Sampaio (PSDB-SP) pediu no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) uma auditoria especial no “sistema de votação, apuração e contagem dos votos da última eleição”. Em nota, o partido, então presidido por Aécio, argumentou que a introdução do voto eletrônico tinha se mostrado ineficiente para “tranquilizar os eleitores quanto a não intervenção de terceiros nos sistemas informatizados”. Em 18 de dezembro daquele ano, o PSDB e a Coligação Muda Brasil pediram ao TSE a cassação dos registros de candidatura e dos diplomas de Dilma e de seu então vice, Michel Temer. Em novembro de 2015, o próprio PSDB concluiu que não houve fraude na eleição. Procurado, Haddad não retornou.

“Isso está na sentença do Moro: ‘nunca houve um governo que fortaleceu tanto a Polícia Federal, o Ministério Público, Poder Judiciário e a CGU”

Fernando Haddad, candidato à vice-presidente pelo PT, em entrevista ao Central das Eleições, da Globonews, no dia 6 de setembro de 2018

VERDADEIRO, MAS…

No dia 12 de julho de 2017, o juiz Sergio Moro condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. No ponto 793 do relatório que embasou sua sentença, Moro realmente destacou uma série de avanços promovidos pelo governo Lula no combate à corrupção, mas não escreveu que seus dois mandatos foram os que mais combateram este tipo de crime, como sugeriu Haddad na Globonews.

No documento, Moro registrou o seguinte: “é forçoso reconhecer o mérito do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no fortalecimento dos mecanismos de controle, abrangendo a prevenção e repressão, do crime de corrupção, especialmente nos investimentos efetuados na Polícia Federal durante o primeiro mandato, no fortalecimento da Controladoria Geral da União e na preservação da independência do Ministério Público Federal mediante a escolha, para o cargo de Procurador Geral da República, de integrante da lista votada entre membros da instituição”.

Entretanto, mais adiante, o juiz ressaltou que “medidas essenciais foram deixadas de lado” nessa batalha contra a corrupção, como a “alteração da exigência do trânsito em julgado da condenação criminal para início da execução da pena”.

“O PT, em 2016, perdeu 60% dos votos no país”

Fernando Haddad, candidato à vice-presidente pelo PT, em entrevista ao Central das Eleições, da Globonews, no dia 6 de setembro de 2018

VERDADEIRO

Dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) mostram que o Partido dos Trabalhadores, de fato, perdeu 60% dos votos entre as últimas duas eleições municipais. Em 2012, o partido recebeu pouco mais de 17,2 milhões de votos. Em 2016, foram 6,8 milhões.

“[Ao estourar a âncora cambial, FHC] provocou um rombo nas contas externas monumental”

Fernando Haddad, candidato à vice-presidente pelo PT, em entrevista ao Central das Eleições, da Globonews, no dia 6 de setembro de 2018

VERDADEIRO

Em 13 de janeiro de 1999, quase duas semanas depois de sua segunda posse presidencial e depois de ter passado meses e meses negando que a paridade entre o dólar e o real chegaria ao fim, o então presidente Fernando Henrique Cardoso encerrou o período de câmbio controlado no Brasil. Naquela data, “a perda de reservas internacionais já era da ordem de US$ 1 bilhão/dia”, colocando em risco, inclusive, o esforço econômico feito desde a criação do Plano Real.

O texto foi publicado inicialmente no dia 7 de setembro, mas, por problemas no sistema, teve de ser republicado no dia 12 do mesmo mês.