Delegado apresenta relatório do caso Adélio para Bolsonaro

Geralda Doca
Adélio Bispo foi considerado inimputável e deve permanecer preso em hospital psiquiátrico

O presidente Jair Bolsonaro assistiu na manhã da sexta-feira a apresentação do relatório parcial das investigações sobre o atentado sofrido, em 2018, quando levou uma facada de Adélio Bispo de Oliveira durante um ato de campanha em Minas Gerais. O delegado Rodrigo Morais, responsável pelo inquérito foi levado ao Palácio do Planalto pelo ministro da Justiça, André Mendonça, acompanhado do diretor-geral da Polícia Federal, Rolando de Souza.

O nome de Rodrigo Morais não aparece na agenda do presidente, mas a presença dele no encontro foi noticiada pela Folha de S.Paulo e confirmada pelo GLOBO. Essa é a segunda investigação sobre o caso e,  novamente, descartou a participação de um terceiro no atentado e a existência de um mandante do crime. A conclusão foi que Adélio agiu sozinho.

Segundo interlocutores, Mendonça passou a manhã inteira no Palácio. Também participaram da reunião os ministros Augusto Heleno, do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), e  Jorge Oliveira, da Secretaria Geral da Presidência. O novo relatório foi apresentado pela Polícia Federal  à Justiça Federal de Juiz de Fora (MG) na quarta-feira. O superintendente da Polícia Federal em Minas Gerais, Cairo Costa Duarte, e o delegado Morais, vieram à Brasília, no dia seguinte, para entregar  o resultado da investigação ao novo diretor da PF, Rolando Souza. O documento também foi disponibilizado aos advogados der Bolsonaro.