Delegado diz que erro da polícia que manteve condomínio de Bolsonaro fora das investigações do caso Marielle

(AP Photo/Leo Correa)

O delegado Giniton Lages reconheceu em depoimento à Justiça que a investigação do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes teve falhas que atrasaram a identificação dos acusados do crime.

Os erros ocorreram na coleta e análise de imagens a fim de identificar o trajeto feito pelo Cobalt usado pelos assassinos.

Leia mais sobre o caso Marielle:

Isso impediu, inclusive, que a polícia pudesse determinar se o veículo saiu ou não do condomínio Vivendas da Barra, onde morava o policial militar aposentado Ronnie Lessa, acusado de ser o executor do crime.

No local também vivia, à época, o presidente Jair Bolsonaro, antes de se mudar para o Palácio da Alvorada.

O presidente foi mencionado no caso apenas no mês passado, quando um porteiro do condomínio afirmou que Bolsonaro autorizou a entrada do ex-policial militar Élcio de Queiroz (acusado de ser o motorista do carro usado no homicídio) no Vivendas da Barra no dia do crime, 14 de março de 2018. 

O então deputado, contudo, estava em Brasília na hora em que o ex-PM acessou o condomínio. Perícia do Ministério Público do Rio de Janeiro em gravação da portaria apontou ainda que quem autorizou a entrada foi Lessa.

A pedido do Ministério Público Federal, a Polícia Federal abriu inquérito para apurar possíveis delitos de obstrução de Justiça, falso testemunho e denunciação caluniosa pelo porteiro contra Bolsonaro.

Responsável pela apuração do caso até março deste ano, o delegado Giniton Lages falou ao juiz Gustavo Kalil em 2 de agosto na ação penal contra Lessa e Queiroz. O depoimento estava sob segredo de Justiça até a semana passada.

O erro, segundo ele, ocorreu dias após o crime, quando agentes foram à Barra da Tijuca coletar imagens de segurança de prédios do bairro.

A polícia já sabia que o Cobalt havia passado pelo bairro do Itanhangá (início da Barra) e atravessado o Alto da Boa Vista até a Câmara Municipal, quando passaram a seguir os passos da vereadora. Essa informação tinha como base um sistema da Prefeitura do Rio de Janeiro conhecido como OCR, que identifica as placas dos carros que passaram pelas câmeras do município.

Lages escalou uma equipe para coletar as imagens e tentar flagrar nelas a passagem do veículo antes do ponto já conhecido. O grupo recolheu arquivos do Itanhangá até a região do quebra-mar (início da orla da Barra), mas não encontrou o Cobalt.

"[A rota que os criminosos percorreram antes do Itanhangá] Era uma incógnita até setembro, outubro de 2018. Até que entra uma informação que resolvia a equação. O carro saiu do quebra-mar", disse ele no depoimento.

Sete meses após o crime, os policiais voltaram a analisar as imagens recolhidas anteriormente e notaram que usaram um programa incompatível com o arquivo do vídeo, o que reduziu sua resolução. Ao usar a ferramenta correta, foi possível identificar a passagem do Cobalt utilizado no crime.

"A equipe cometeu o maior pecado de uma investigação, que foi chegar até o quebra-mar e não seguir para trás. Acreditou demais em sua própria 'expertise'. Quando levaram a imagem para análise, tinham que ter a certeza que o carro não passou. Eles não perceberam um defeito de Codec [programas utilizados para codificar e decodificar arquivos de mídia] naquela imagem", declarou o delegado.

"Com a segurança que nenhum policial pode ter numa atividade como essa, eles olharam as imagens, [mas] não são especialistas. Tinham que pedir a um especialista para olhar com outros olhos. [O especialista] Teria visto o carro em março [de 2018]. E aí toda a energia iria para a praia. E muito provavelmente pegaríamos eles entrando no carro, o carro parado há mais tempo. Teríamos outras informações que não temos hoje", afirmou ele.

Lages disse que determinou aos agentes para que buscassem imagens de prédios da orla a fim de tentar localizar o veículo. "Mas o que aconteceu? O óbvio: não tinham mais imagens. O fato é que o carro vinha da praia", disse ele.

De acordo com o Ministério Público, Élcio entrou às 17h07 no condomínio, na orla. A câmera no quebra-mar identificou a passagem do Cobalt às 17h24. O trajeto entre o Vivendas da Barra e o ponto da primeira visualização do veículo é de cerca de sete minutos.

O delegado deixou claro que o objetivo da busca era descobrir se o veículo usado no crime saiu diretamente do condomínio de Lessa ou se eles embarcaram nele em outro local.

"Minha esperança é que tivéssemos uma OCR [câmera de identificação de placas] na [avenida] Sernambetiba. Mas não consegui pegar esse carro na Sernambetiba. Uma OCR me indicaria se ele estava na frente da casa do Lessa, antes da casa do Lessa, depois da casa do Lessa, se não estava", afirmou ao juiz.

A Folha de S.Paulo revelou nesta terça-feira (5) que a polícia tinha há um ano as planilhas manuscritas de controle de acesso do condomínio Vivendas da Barra, que apontavam a entrada de Élcio tendo como destino a casa 58, de Bolsonaro.

O relatório da polícia sobre os documentos, contudo, se resumiu a expor as entradas com destino à casa 65/66, de Ronnie Lessa.

A menção à casa 58 só se tornou objeto de apuração após o Ministério Público conseguir acessar dados do celular de Lessa e encontrar uma foto da planilha, enviada a ele por sua esposa, indicando a entrada de Élcio. Foi quando apreenderam novamente as planilhas e chamaram o porteiro para depor.

O caso foi enviado ao STF (Supremo Tribunal Federal) em razão da menção ao nome do presidente. Mas a gravação indicando a autorização de Ronnie Lessa, e não de Bolsonaro, levou a Justiça a autorizar o prosseguimento da investigação no Rio de Janeiro.

Lages também criticou, no inquérito, as empresas de telefonia brasileiras, que disseram não ser possível rastrear os celulares dos autores pelos IPs (espécie de RG do telefone) que passaram por aquela rota naquele dia, já que os sistemas que existem hoje no país não têm GPS agregado.

O delegado comentou ainda as críticas a eventuais falhas na investigação. "É fácil falar. Difícil é fazer. Se arvorar de falar o que nunca viveu é mole. É o efeito CSI. O cara assiste uma série de TV americana e acha que a vida real é a mesma coisa", afirmou no depoimento.

Da FOLHAPRESS