Delegado pede acesso a imagens de câmeras da Rota após suposto confronto com dois mortos

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O delegado Antonio Carlos Desgualdo afirmou nesta quinta (12) que solicitou à Polícia Militar acesso às imagens captadas pela câmeras dos uniformes dos policiais da Rota (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar) envolvidos na ocorrência que terminou com dois suspeitos mortos e um baleado nesta madrugada na rua da Consolação, região central da capital.

Desgualdo é responsável pela Divisão de Homicídios do DHPP (Departamento Estadual de Homicídios e de Proteção à Pessoa), que apura os fatos.

"Nós já solicitamos as imagens das câmeras dos uniformes dos policiais. Não sei quanto tempo vai levar para termos acesso porque são muitas horas de gravação. A gente pediu um recorte de tempo específico, mas sei que precisam descarregar em um servidor, tratar e só então nos enviar. Mas a solicitação já foi realizada", disse Desgualdo.

Os dois homens foram mortos em uma suposta troca de tiros com os policiais da Rota. Eles são suspeitos de integrarem uma quadrilha especializada em roubos a residências na Grande São Paulo.

De acordo com o delegado, imagens de câmeras de monitoramento da região também serão requisitadas para tentar esclarecer como os fatos ocorreram.

Ainda segundo Desgualdo, os policiais informaram que, após uma denúncia anônima, teriam encontrado três integrantes dessa quadrilha em uma Mercedes-Benz C200, em Cotia (Grande SP). Presos, os três teriam indicado a localização de outro trio que estaria na região central da capital, em um Honda Fit.

Os agentes da Rota relataram, continuou o delegado, que localizaram os outros três homens e que houve perseguição, até que o veículo em que os suspeitos estavam se chocou contra um poste em frente à obra da linha 6-laranja de metrô, na rua da Consolação. Segundo os PMs, os suspeitos não obedeceram às ordens para baixar os vidros e desceram do carro atirando contra os policiais, que revidaram.

Dois suspeitos morreram e o terceiro, ferido, foi socorrido e levado para a Santa Casa.

A Ouvidoria das Polícias do Estado de São Paulo afirmou que acompanha a ocorrência e abriu procedimento administrativo oficial para acompanhar toda a investigação do caso.