Dell encerra operações na Rússia

Dell juntou-se a outras companhias na redução das operações desde que Moscou enviou dezenas de milhares de soldados para a Ucrânia
Dell juntou-se a outras companhias na redução das operações desde que Moscou enviou dezenas de milhares de soldados para a Ucrânia (Getty Creative)
  • Empresa já havia anunciado redução das operações no início da guerra

  • Ministério da Indústria da Rússia garante que pesquisadores e engenheiros que trabalhavam para a empresa no país já arranjaram novos empregos

  • Rússia enfrenta uma debandada de multinacionais desde a invasão da Ucrânia

A Dell Technologies Inc. anunciou, no último sábado (27), que encerrou definitivamente todas as suas operações na Rússia. Há algumas semanas, a companhia já havia fechado todos os escritórios no país.

De acordo com informações da Reuters, a empresa de computadores dos Estados Unidos, fornecedora vital de servidores na Rússia, juntou-se a outras companhias na redução das operações desde que Moscou enviou dezenas de milhares de soldados para a Ucrânia em 24 de fevereiro. No mesmo mês do início da guerra, a Dell já havia suspendido suas vendas nos dois países e informou que iria monitorar a situação.

À reportagem, o porta-voz da Dell, Mike Siemienas, declarou: "Em meados de agosto, fechamos nossos escritórios e encerramos todas as operações russas. Em fevereiro, tomamos a decisão de não vender, prestar serviços ou oferecer suporte a produtos na Rússia, Bielorrússia e nas regiões de Donetsk e Luhansk da Ucrânia, além da já embargada Crimeia".

O Ministério da Indústria da Rússia informou, um dia antes do comunicado de encerramento da Dell, que muitos dos pesquisadores e engenheiros que trabalhavam para a empresa no país já haviam arranjado novos empregos e que tomaram essa precaução depois que reportagens da mídia alertaram sobre o iminente fim das operações.

Debandada

Além das sanções impostas por diversos países ocidentais, a Rússia também enfrenta uma debandada de multinacionais após a invasão da Ucrânia. Empresas como a Apple, Disney e Ford anunciaram, já em março, que estariam diminuindo ou suspendendo as operações no país.

A Rússia passou a receber investimentos estrangeiros em 1991 com o fim da União Soviética, tornando-se uma potência na exploração de recursos naturais valiosos, como petróleo e gás natural.