Demóstenes se defende e diz ser 'bode expiatório' e 'bola da vez'

Foto: ReutersNa véspera da votação de seu pedido de cassação pela Comissão de Constituição e Justiça do Senado (CCJ), o senador Demóstenes Torres (sem partido-GO) afirmou, em discurso nesta terça-feira, que o processo de quebra de decoro contra ele é baseado em provas ilegais. Discursando novamente para um plenário vazio, Demóstenes afirmou que é um "bode expiatório", "a bola da vez", e apelou para o espírito do corpo do Senado ao alertar para o precedente de cassar um parlamentar por grampos telefônicos feitos sem autorização do STF.

Leia mais:
CCJ assegura direito de defesa de Demóstenes

Ele sustenta que a Polícia Federal não podia ter grampeado suas conversas telefônicas sem autorização do Supremo Tribunal Federal (STF), já que senadores têm direito a foro privilegiado. Ele também afirmou que não teve direito à ampla defesa e ao contraditório.

Tanto o ministro José Eduardo Cardozo (Justiça) quanto o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, já rebateram esse argumento, alegando que o alvo da Operação Monte Carlo não era ele. O senador teria aparecido na investigação de forma lateral, ao conversar reiteradamente com o bicheiro Carlinhos Cachoeira.

Segundo seu advogado, Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, Demóstenes pretende comparecer nesta quarta-feira na CCJ para se defender pessoalmente.

Carregando...

YAHOO NOTÍCIAS NO FACEBOOK

Siga o Yahoo Notícias