Demanda asiática por carne bovina deve seguir forte, avalia presidente da JBS

Corte de carnes

SÃO PAULO (Reuters) - A JBS, maior companhia global de carnes, está otimista com as perspectivas de vendas de cortes bovinos para países asiáticos, principalmente China, já que o consumo per capita do produto na região permanece baixo, disse o presidente-executivo da empresa, Gilberto Tomazoni, nesta sexta-feira.

"O aumento das importações de carne bovina é estrutural na Ásia devido à melhora no poder de compra (dos consumidores)", afirmou Tomazoni, durante uma teleconferência para discutir os resultados do segundo trimestre.

A JBS vende carne bovina para clientes asiáticos usando várias plantas exportadoras localizadas em países como Brasil e Estados Unidos.

A empresa também processa produtos de carne de porco, frango e peixe em vários países.

Na quinta-feira, a JBS divulgou uma queda no lucro líquido, citando uma fraqueza de seus negócios de carne bovina e suína nos EUA.

"A queda das margens nas operações de carne bovina dos EUA foi quase totalmente compensada pelas outras unidades de negócios", disse Tomazoni.

A JBS registrou receita líquida quase 8% maior, de 92,2 bilhões de reais no último trimestre, enquanto as margens operacionais gerais permaneceram na casa dos dois dígitos.

As operações de carne bovina dos EUA foram parcialmente afetadas pela oferta mais apertada de animais para processamento, embora as exportações de carne bovina dos Estados Unidos devam ser recordes este ano, disse Tomazoni.

As vendas de carne suína, por outro lado, devem refletir a menor demanda da China, onde os rebanhos de suínos estão sendo ampliados novamente após um surto de peste suína africana em 2018.

No Brasil, a divisão Seara da JBS conseguiu aumentar os preços dos alimentos processados, aumentando a rentabilidade.

"A Seara surpreendeu até os mais otimistas", disse o Credit Suisse em nota aos clientes.

A margem operacional de 14,1% da Seara foi recorde, segundo analistas.

Executivos da JBS disseram que os aumentos de preços da Seara ajudaram a compensar a inflação de custos, mas também refletiram um melhor mix de produtos de vendas.

Os programas de transferência de renda do governo brasileiro em andamento também devem impulsionar as vendas de alimentos no país de origem da JBS, observaram os executivos.

(Reportagem de Ana Mano)

((Tradução Redação São Paulo 55 11 56447751))REUTERS RS RB