Demanda por oxigênio cresce 56% em março e fábricas já operam 24 horas por dia, diz White Martins

Bruno Rosa
·4 minuto de leitura

O consumo de oxigênio líquido medicinal registrou um aumento de 56% no Brasil nas duas primeiras semanas de março em relação à primeira quinzena de dezembro do ano, de acordo com a White Martins, principal produtor do Brasil, que divulgou uma nota sobre o assunto nesta quinta-feira (18). A empresa disse que os estados do Ceará, Minas Gerais, São Paulo, Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina têm "apresentado um consumo de oxigênio expressivo no momento" com base nos pedidos de seus clientes.

A empresa disse que implementou um plano de contingência e "segue intensificando os esforços" com produção 24 horas por dia em todas as unidades. Além de produzir oxigênio, a empresa também acelerou a fabricação de tanques. para armazenamento de gases medicinais e industriais, entre eles o oxigênio. O aumento foi de 68% se comparado com o período pré-pandemia. No caso das carretas criogênicas para o transporte destes gases, a produção subiu 39% no mesmo período.

Em nota, a empresa reforçou que "tem alertado exaustivamente todos os seus clientes medicinais dos setores público e privado que o abastecimento de oxigênio não depende apenas da sua produção". Além disso, explicou que as condições de transporte entre o local de produção de oxigênio e os locais de entrega "muitas vezes" só podem ser acessados por veículos menores.

A White Martins diz que muitos hospitais têm apresentado um aumento de consumo de oxigênio que vai além da sua capacidade de estocagem instalada e da sua própria infraestrutura hospitalar. Isso, lembra, faz "com que a frequência de abastecimento se incremente exponencialmente e assim se veja impactada a confiabilidade de um fornecimento adequado", informou a companhia. "A transformação de unidades de pronto atendimento em postos de atendimento para pacientes com Covid-19, sem um planejamento adequado envolvendo os fornecedores de oxigênio, traz uma série de dificuldades logísticas."

Para evitar uma crise como em Manaus, a empresa aumentou a sua frota, que inclui carretas criogênicas, caminhões e isotanques, em 13,5% e o número de motoristas em 14%. Por fim,

A White Martins ressalta a necessidade de que as autoridades indiquem previsão da demanda. " A White Martins – como qualquer fornecedora deste insumo – não tem condições de fazer qualquer prognóstico acerca da evolução abrupta ou exponencial da demanda", disse a companhia em nota.

Desafio logístico

O aumento das internações por Covid-19 em quase todo os estados vem gerando preocupações entre as empresas que atuam na cadeia do oxigênio medicinal. De acordo com especialistas, o principal desafio é logístico, pois não há caminhões e carretas suficientes para atender a hospitais em todo o país. Empresas destacam preocupação com Roraima, Rondônia, Amapá, Paraná, Santa Catarina, Goiás, Bahia e Minas Gerais.

O executivo de uma empresa do setor, que pediu anonimato, destacou ainda outro entrave para a distribuição dos cilindros de oxigênio é que muitos locais Brasil afora estão sendo improvisados como pontos de internação, sem a infraestrutura necessária.

— Há cidades que transformam UPAs em locais de internação, assim com igrejas e outros espaços físicos. Em muitos desses locais, os caminhões não conseguem chegar — disse esse executivo.

Segundo o consultor Ronaldo S Santos, se em janeiro o surto estava localizado em Manaus, hoje o problema está espalhado por todo o país. Para ele, o preocupação atual não é com a falta de produção de oxigênio no país e sim com a logística de distribuição.

- Pode ocorrer falta de produtos em vários locais, tanto em pequenas como em grandes cidades. A demanda vem subindo e não o transporte não consegue dar conta da demanda. Há hospitais em que a demanda subiu cinco vezes - afirmou Santos, destacando que o Brasil tem capacidade de produção suficiente de oxigênio.

Para ele, o governo deveria criar uma ação coordenada entre as centenas de distribuidoras de oxigênio no Brasil, que compram a matéria-prima das grandes produtoras como a White Martins, que tem cerca de 80% de participação de mercado.

-Essa ação coordenada poderia ajudar no micro, em cidades menores, pois em muitos casos as grandes produtoras rivalizam espaço com esses pequenas empresas - destacou Santos.

A Air Liquide Brasil, uma das empresas que atuam no país, disse que "sua prioridade é empenhar todos os esforços para garantir o abastecimento de oxigênio a todos os hospitais que atende".

Para Jorge Mathuiy, diretor comercial da MAT, uma das principais fabricantes de cilindros do Brasil, o problema central hoje é a logística para fazer esses cilindros chegarem aos hospitais. Ele cita preocupação com estados das regiões Norte, Sul e Nordeste. Para atender ao aumento da demanda, a empresa já aumentou a capacidade de produção mensal de 22 mil para 27 mil cilindros e reduziu suas exportações.

-Em Manaus, houve um aumento repentino de demanda. Agora, estamos vendo muitos locais como Rondônia e Roraima tentando se antecipar e comprando oxigênio. Falta planejamento e integração entre poder público e privado de forma a aumentar a eficiência -explicou Mathuiy, que aponta preocupação logística com diversos estados. - Bahia e Minas Gerais são estados com muitos municípios. O Sul, como Paraná e Santa Catarina, também está em situação difícil. Estamos vendo o aumento de pedidos.