'A democracia é mais forte do que a barbárie', diz Hollande em julgamento por atentados

·1 min de leitura
François Hollande era presidente da França no ano dos atentados (AFP/BERTRAND GUAY)

O ex-presidente francês François Hollande depôs nesta quarta-feira como testemunha no julgamento dos ataques de novembro de 2015 em Paris, negando que a França tenha se tornado um alvo devido à intervenção militar na Síria e garantindo que "a democracia é mais forte do que a barbárie".

Hollande, presidente de 2012 a 2017, enfrentou perguntas sobre como um comando jihadista conseguiu fugir do controle policial enquanto preparava os ataques.

O então presidente assistia ao amistoso de futebol entre França e Alemanha na noite de 13 de novembro de 2015, no Stade de France, quando o primeiro terrorista acionou seu colete, fazendo com que os agentes de segurança o retirassem do local, enquanto ocorriam outras duas explosões.

Mais tarde, homens armados abriram fogo contra cafés e restaurantes em uma área badalada da capital francesa e invadiram a casa de shows Bataclan, matando indiscriminadamente e fazendo reféns.

Hollande foi rapidamente à TV para falar sobre o "horror" que ainda acontecia, que, no fim da noite, deixou 130 mortos e posteriormente. Posteriormente, decretou estado de emergência.

“Esse grupo nos atingiu não por causa de nossas ações no exterior, mas por causa do nosso modo de vida”, afirmou Hollande, acrescentando: “A democracia sempre será mais forte do que a barbárie”.

O processo é o maior da história judicial moderna francesa e os 20 réus podem ser condenados à prisão perpétua. Seis suspeitos são julgados à revelia.

asl-js-sjw/adp/har/pc/mb/lb

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos