Democracia não vai se dobrar e Lula não vai baixar a cabeça, diz Janja

***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 30.11.2022 - A primeira-dama Rosângela da Silva, a Janja. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 30.11.2022 - A primeira-dama Rosângela da Silva, a Janja. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A primeira-dama Rosângela da Silva, a Janja, reagiu nesta segunda-feira (9) aos atos golpistas e de vandalismo que ocorreram em Brasília no dia anterior e afirmou que "a democracia não vai se dobrar" e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) não "vai baixar a cabeça".

Em nota divulgada nas redes sociais, Janja afirmou que os atos "não foram uma manifestação democrática" e se referiu aos manifestantes golpistas como "vândalos".

"Manifestações públicas fazem parte da democracia. Mas estes atos não foram uma manifestação democrática. O povo brasileiro reconhece isso e repudia o que aconteceu ontem. E o mundo democrático sabe o que estava em curso e não vai aceitar retrocessos no Brasil", escreveu.

Janja também criticou a depredação do patrimônio público. "Por anos, a esquerda fez manifestações com milhares de pessoas em Brasília, com muito mais gente nas ruas do que vimos ontem. E apesar de muitos confrontos, nunca se fez com o patrimônio público o que foi feito ontem."

A primeira-dama disse ainda que está, nesta segunda, no Palácio do Planalto, "trabalhando para reconstruir o Brasil".

No domingo (8), manifestantes golpistas, apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), tomaram a sede dos três Poderes, invadindo e depredando os prédios. O episódio levou ao afastamento do governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, pelo ministro Alexandre de Moraes. O GDF é responsável pela segurança na região da Esplanada.

Além disso, o então secretário de segurança pública e ex-ministro de Bolsonaro, Anderson Torres, foi exonerado ao longo do domingo e teve a prisão solicitada pela AGU (Advocacia-Geral da União).

Também nesta segunda, presidentes dos Três Poderes divulgaram nota conjunta chamando os atos de golpistas e terroristas e pregando a união.