Democrata Ocasio-Cortez revela que é sobrevivente de agressão sexual

·2 minuto de leitura
A deputada democrata Alexandria Ocasio-Cortez durante uma sessão on-line da Comissão de Finanças, em Washington, em 2 de dezembro de 2020

A congressista democrata por Nova York Alexandria Ocasio-Cortez revelou ter sido vítima de uma agressão sexual, em um emocionado vídeo no Instagram na segunda-feira (1), no qual confessou ter temido por sua vida durante o ataque ao Capitólio em 6 de janeiro.

Acusando os conservadores que se opõem ao impeachment do ex-presidente Donald Trump de estimular a violência que levou ao ataque, a representante (deputada), símbolo da esquerda progressista americana, comparou-os a "abusadores".

"Eles estão tentando nos dizer para seguir em frente sem prestar contas, sem que se diga a verdade, ou sem enfrentar os danos extremos, a perda de vidas, o trauma", disse Ocasio-Cortez durante uma transmissão de vídeo ao vivo no Instagram.

"Sou uma sobrevivente de uma agressão sexual e não contei isso a muitas pessoas em minha vida", completou a política, ao comparar os parlamentares que desejam "seguir adiante" após o ataque ao Capitólio com a tática de negação utilizada pelos agressores.

"Como sobrevivente, luto com a ideia de que acreditem", completou, sem revelar detalhes, ou o momento em que a agressão aconteceu.

Alexandria Ocasio-Cortez, conhecida como AOC, contou no vídeo o medo que sentiu durante o ataque ao Capitólio e como teve que se esconder.

"Pensei que iria morrer", disse.

A confissão da deputada, que foi assistida por mais de 350.000 pessoas, foi elogiada por sua coragem e honestidade.

A deputada Katie Porter relatou ao canal MSNBC que emprestou um par de tênis a AOC durante o ataque, caso ela tivesse que "correr por sua vida", ao que Ocasio-Cortez respondeu: "Só espero que eu consiga se mãe. Espero não morrer hoje".

Esta semana, Ocasio-Cortez respondeu ainda ao senador republicano Ted Cruz, depois que ele aprovou as críticas da democrata ao aplicativo de negociações na Bolsa Robinhood.

"Estou feliz de trabalhar com os republicanos neste tema em que há pontos em comum, mas, há três semanas, quase fizeram com que eu fosse assassinada, então podem esperar sentados", tuitou AOC.

bur-oho/lch/pz/tjc/zm/fp/tt