Demolição de monumentos soviéticos: A favor ou contra?

Alguns veem a destruição de monumentos como uma má tradição. Outros não querem ter mais nada a ver com estes monumentos. Mas há quem acredite que a sua demolição é o fim da história.

Os monumentos da era soviética continuam a gerar um intenso debate na Letónia, apesar de uma lei recente que, desde há alguns meses, tem permitido o desmantelamento sistemático de muitos deles.

Dada a situação geopolítica particular, com o expansionismo da vizinha Rússia, a Letónia adotou a lei após a invasão da Ucrânia. O texto obriga os municípios a desmantelar estátuas, monólitos, mausoléus, ou qualquer tipo de monumento que glorifique o regime soviético, exceto os erigidos em cemitérios, com restos humanos ou listados como significativos do ponto de vista cultural, caso em que permanecerão protegidos.

Cidades de maioria russa contra a demolição

Perto da fronteira com a Bielorrússia e a Rússia, as coisas não são tão simples.

A cidade de Daugavpils tem três grandes monumentos soviéticos e uma grande maioria étnica russa. Considerado propagandístico por peritos governamentais, um dos "tributos" aos soldados soviéticos da Segunda Guerra Mundial vai ser demolido. Uma decisão que divide a população, e a que muitos cidadãos de etnia russa se opõem. Para estes, trata-se das suas memórias, que permanecer onde estão.

"Um soldado é um soldado. A guerra torna as coisas muito claras. O que aconteceu, aconteceu. O monumento foi erguido como um símbolo de agradecimento a alguém. Se voltarmos à história... A quem pertencia este território? Haverá muitas discussões, é um debate interminável. Na minha opinião, ao demolirmos monumentos apagamos a história", diz Igor Prelatov, vereador da Câmara Municipal de Daugavpils.

Ao demolirmos monumentos, apagamos a história.

Quer a história seja boa ou má, há quem defenda que devem ser usados para ensinar aos jovens todas as coisas positivas e negativas do passado.

O que mais incomoda alguns cidadãos não é a presença dos diferentes monumentos, mas a forma como estes são explorados por diferentes grupos e organizações políticas.

Reformá-los ou transformá-los em objetos de arte são algumas das ideias que vêm à mente daqueles que não os querem destruídos, mas aspiram a acabar com o passado político e histórico com o qual se identificam.

"Quanto mais cedo os removermos, melhor. Avaliar qual destes monumentos glorifica muito a ocupação soviética, e qual um pouco menos, é grotesco. O poder soviético veio aqui voluntariamente e deixou estes vestígios, dizendo: "aqui estamos nós". Portanto, têm de ser desmantelados", diz Aivars Broks, diretor de uma escola de música em Daugavpils.

Capital letã destrói monumentos

O caso de Riga é particular. O maior memorial da Segunda Guerra Mundial do país tinha-se tornado um local de encontro para nostálgicos da Letónia soviética e nacionalistas pró-russos. Hoje, as autoridades não querem mais símbolos do totalitarismo, especialmente depois da invasão russa da Ucrânia, diz o seu presidente da câmara.

"A primeira ideia era encontrar outro nome para ela ou acomodar uma interpretação diferente. O que aconteceu depois desta iniciativa foi que as pessoas começaram a doar dinheiro para o fazer baixar. As doações acabaram por cobrir todos os custos da sua demolição", explica Martins Stakis, o presidente da câmara de Riga.

Alguns dos monumentos considerados culturais ou históricos podem acabar no Museu da Ocupação da Letónia, onde uma exposição permanente documenta os domínios nazi e soviético do país.

A situação é muito complexa na nação báltica. Há aqueles que querem acabar com qualquer tipo de símbolo de um passado soviético, aqueles que querem preservar alguns monumentos que têm uma história muito precisa e pessoal, e aqueles que finalmente acreditam que como exemplos de arte totalitária poderiam ser reunidos num só lugar e apresentados ao povo, com uma contextualização adequada.