'Denúncia é tentativa óbvia de atacar a imprensa livre', diz Glenn Greenwald

MÔNICA BERGAMO
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 24.10.2019: O jornalista americano radicado no Brasil, Glenn Greenwald recebe o Prêmio Especial Vladimir Herzog 2019, no Tucarena, em São Paulo. (Foto: Zé Carlos Barretta/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O jornalista Glenn Greenwald diz que a denúncia em que o Ministério Público Federal (MPF) o acusa de envolvimento no hackeamento de contas de Telegram de autoridades como o ministro Sergio Moro (Justiça) "é uma tentativa óbvia de atacar a imprensa livre em retaliação pelas revelações que relatamos sobre o ministro Moro e o governo Bolsonaro".

Greenwald foi um dos sete denunciados pelo MPF nesta terça (21).

"Não seremos intimidados por essas tentativas tirânicas de silenciar jornalistas. Estou trabalhando agora com novos relatórios e continuarei a fazer meu trabalho jornalístico. Muitos brasileiros corajosos sacrificaram sua liberdade e até sua vida pela democracia brasileira, e sinto a obrigação de continuar esse nobre trabalho", diz o jornalista. Ele é fundador do The Intercept Brasil, que recebeu diálogos da Lava Jato e os publicou em 2019.

O americano mandou uma nota à reportagem depois de ser procurado para comentar a denúncia. Leia a íntegra abaixo:

"O governo Bolsonaro e o movimento que o apoia deixaram repetidamente claro que não acreditam em liberdades de imprensa —as ameaças de Bolsonaro à Folha, os ataques aos jornalistas incitando violência, as insinuações de Sergio Moro desde o início da nossas reportagens para nos classificar como 'aliados dos hackers' por revelar sua corrupção em vez de 'jornalistas'.

Há menos de dois meses, a Polícia Federal, examinando todas as mesmas evidências citadas pelo Ministério Público, declarou explicitamente que não apenas nunca cometi nenhum crime, mas também exerci extrema cautela como jornalista, nem cheguei de qualquer participação. Até a Polícia Federal, sob o comando do ministro Moro, disse o que está claro para qualquer pessoa: eu não fiz nada além do meu trabalho como jornalista —eticamente e dentro da lei.

Essa denúncia —levada pelo mesmo procurador que tentou (mas fracassou) processar criminalmente Felipe Santa Cruz por criticar ministro Moro— é uma tentativa óbvia de atacar a imprensa livre em retaliação pelas revelações que relatamos sobre o ministro Moro e o governo Bolsonaro. É também um ataque direito ao STF, que determinou que temos o direito de ter nossa liberdade de imprensa protegida em resposta a outros ataques do ministro Moro, e até mesmo às conclusões da Polícia Federal.

Não seremos intimidados por essas tentativas tirânicas de silenciar jornalistas. Estou trabalhando agora com novos relatórios e continuarei a fazer meu trabalho jornalístico. Muitos brasileiros corajosos sacrificaram sua liberdade e até a sua vida pela democracia brasileira, e sinto a obrigação de continuar esse nobre trabalho."