Denúncia abala Alckmin, e Ana Amélia critica ‘criminalização da política’

Marcella Fernandes
“É uma coisa estranha porque é de 2014. A surpresa foi isso. Estamos em 2018. As instituições têm que ter cuidado em apressar essas coisas para não contaminar o espectro político

A denúncia por improbidade administrativa contra Geraldo Alckmin abalou a campanha do candidato do PSDB à Presidência da República e pode dificultar que ele conquiste uma vaga no 2º turno, na avaliação de políticos ligados ao tucano. Vice na chapa do ex-governador de São Paulo, a senadora Ana Amélia(PP-RS) criticou a "criminalização da política".

"É uma coisa estranha porque é de 2014. A surpresa foi isso. Estamos em 2018. As instituições têm que ter cuidado em apressar essas coisas para não contaminar o espectro político e a própria Casa ter reações intempestivas em relação a tudo o que está acontecendo. É preciso ter muito cuidado. Muita responsabilidade", afirmou a parlamentar ao HuffPost Brasil.

Uma das vozes contundentes do discursos de combate à corrupção no casos envolvendo o PT, a senadora defendeu as investigações, mas ressaltou preocupação com a visão de aversão à política. "Minha régua moral é a mesma, mas você tem um determinado limite para não extrapolar além do que está dentro da prerrogativa de cada instituição de fazer o que deve ser feito", completou.

Ana Amélia negou qualquer possibilidade de assumir a cabeça da chapa, diante do desgaste da imagem do tucano. "Não. Estou num processo muito desafiador de ser vice", afirmou. Escolhida para aumentar o voto feminino em Alckmin, ela disse que ainda não é possível avaliar se a propaganda de rádio e televisão teve efeitos no eleitorado.

"As instituições têm que ter cuidado em apressar essas coisas para não contaminar o espectro político", disse Ana Amélia sobre denúncia contra Alckmin.

Corrupção e ativismo judiciário

Em um esforço para se descolar da imagem de corrupção associada a integrantes do PSDB, o presidenciável afirmou nesta terça-feira (4) que não vai fazer campanha ao lado do senador Aécio Neves (PSDB-MG), réu na Lava Jato por corrupção passiva e obstrução da Justiça.

A onda anti-corrupção é justamente um dos temas que impulsionam a candidatura de Jair Bolsonaro (PSL). O eleitorado do deputado federal é cobiçado pelo tucano para chegar ao 2º turno. Na...

Continue a ler no HuffPost