Denunciado homicídio de líder indígena ambientalista em Honduras

·1 minuto de leitura
Mulheres da etnia hondurenha Lenca protestam em 8 de março de 2018 pelo assassinato de sua líder Berta Cáceres

Félix Vásquez, líder ambientalista, defensor de territórios indígenas em Honduras e pré-candidato a deputado, foi morto na noite de sábado por um grupo não identificado que invadiu sua casa, denunciaram testemunhas a uma ONG.

Quatro homens encapuzados entraram na casa de Vásquez, na comunidade de Ocotal, município de Santiago de Puringla, departamento (estado) de La Paz, oeste do país, detalhou o site Defensores en Línea, da ONG Comitê de Familiares de Presos Desaparecidos em Honduras (Cofadeh).

Após subjugar e espancar alguns dos presentes, os homens atiraram no líder, informou a ONG, com base em relatos de testemunhas cujas identidades foram mantidas em sigilo.

Vásquez, de cerca de 70 anos, era indígena Lenca, a mesma etnia à que pertencia a hondurenha Berta Cáceres, premiada por seu trabalho ambientalista e morta a tiros em 2016 após anos de luta contra megaprojetos que ameaçavam deslocar povos originários.

Félix Vásquez também era um defensor do meio ambiente, "preocupado com a ocupação de latifundiários em áreas de reserva natural, como a bacia hidrográfica El Jilguero", cujo dano impactaria mais de 300 famílias indígenas, segundo o Defensores en Línea.

O dirigente havia decidido entrar para a política como pré-candidato a uma vaga de deputado pelo partido Liberdade e Refundação (LIBRE) nas eleições de novembro de 2021.

A ONG lembrou que 90% da população de La Paz é indígena, amparada pelo Convênio 169 da OIT, que pede respeito às formas de vida dos povos originários e ordena às autoridades consultá-los sobre as medidas que afetem seus territórios ou convivência.

Em 2015, pelo menos 20 defensores indígenas foram assassinados, denunciou o Movimento Independente Indígena Lenca de La Paz-Honduras (MILPAH).

mav/ll/mvv