Departamento de saúde de Los Angeles orienta que produções cinematográficas sejam interrompidas

O Globo
·1 minuto de leitura
Fred Prouser

O Departamento de Saúde Pública do condado de Los Angeles, na Califórnia, está pedindo a executivos e estúdios que considerem interromper as produções cinematográficas na região, que tem cerca de 10 milhões de habitantes. As autoridades sanitárias demonstram grande preocupação com o aumento contínuo de casos de Covid-19, que vem resultando em hospitais praticamente lotados.

O pedido do departamento foi enviado por e-mail a diversos nomes da indústria do audiovisual de Hollywood. "Embora as produções de música, TV e cinema tenham permissão para operar, pedimos que considerem seriamente a pausa do trabalho por algumas semanas durante este catastrófico aumento em casos de Covid. Identifique e adie atividades de maior risco e concentre-se no trabalho de menor risco por enquanto, se possível", diz o texto.

Em imagem anexada ao e-mail, aparece estampada a frase "Por favor, parem a onda", referindo-se ao recrudescimento da pandemia. As autoridades também pedem para que todos fiquem em casa, não se reúnam, usem máscaras e mantenham distanciamento mínimo de 1,8 m.

O departamento de saúde também alertou os membros da indústria que viajar "para fins de produção não é aconselhável", pois aumenta o risco de contrair Covid-19, "tornando mais provável que as pessoas acabem juntas em veículos ou em ambientes fechados, de menor controle".

Às vésperas do Natal, a Califórnia, onde fica o condado de Los Angeles, tornou-se o primeiro estado americano a ultrapassar a marca de 2 milhões de casos de Covid.

Em uma coletiva, na segunda-feira (28), o governador Gavin Newson demonstrou preocupação com a previsão de um novo aumento de casos. Ele disse à população que é preciso "se preparar para o que é inevitável agora, com base nas viagens de Natal e na expectativa até o fim das férias".