Depois de Bolsonaro falar em 'guerra química', Itamaraty diz que "devemos louvar a China"

·2 minuto de leitura
  • Itamaraty minimizou atritos diplomáticos com a China, depois que Bolsonaro disse que pandemia fazia parte de "guerra química"

  • Governo chinês reagiu à declaração do presidente brasileiro e se opôs à "politização e estigmatização do vírus"

  • Diretor de Direitos Humanos e Cidadania do Ministério de Relações Exteriores participou hoje de audiência no Senado

Com o Brasil ainda dependente da importação de insumos da China para a produção de vacinas contra Covid-19, o Itamaraty buscou minimizar nesta segunda-feira atritos com o país asiático. Na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro voltou a causar polêmica com a insinuação de que a pandemia seria parte de uma “guerra química”.

A China é atualmente o maior parceiro comercial do Brasil . Após a declaração de Bolsonaro, o governo chinês reagiu e afirmou se opor à "politização e estigmatização do vírus".

Leia também

Em audiência no Senado sobre os entraves à aquisição de vacinas no país, o diretor de Direitos Humanos e Cidadania do Ministério de Relações Exteriores, João Lucas Quental de Almeida, disse que o Itamaraty “ não tem medido esforços” nas negociações e elogiou os chineses.

— Nós devemos de fato louvar a China (...) porque a China é um país que realmente tem mais exportado IFAs (ingredientes farmacêuticos ativos) e vacinas neste momento de pandemia. A China exportou metade de toda a sua produção. Nenhum outro país chega perto a isso, e nós reconhecemos plenamente esse esforço gigantesco da China para ajudar mundo e o Brasil, particularmente, nesse momento.

O diretor do Itamaraty ressaltou também a alteração de cenário mundial com a posição favorável dos Estados Unidos com a quebra de patente para produção de vacinas contra o coronavírus. O objetivo é facilitar a ampliação da produção de vacinas pelo mundo.

Com os atrasos na importação do IFA produzido por empresas privadas da China, a senadora Kátia Abreu (PP-TO), defendeu negociação para a compra de vacina produzida pela farmacêutica estatal chinesa Sinopharm. O Instituto Butantan suspendeu a produção da Coronavac por falta de insumo.

— O cenário como um todo se alterou e, o Brasil, como todos os outros atores, precisa refletir e eventualmente ajustar a sua posição – disse Almeida, completando : - Estamos nos engajando via nossa missão junto a OMC ( Organização Mundial do Comércio), em Genebra, para tentar negociar com Estados Unidos e outros países um acordo que seja aceito por todos — afirmou Almeida. 

Na audiência, o embaixador da Rússia no Brasil, Alexey Labetskiy, defendeu a vacina Sputnik V, que teve importação negada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). No entanto, ele disse que está “otimista” em uma solução para resolver os entraves para a utilização do imunizante no Brasil.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos