Depois de duas semanas de apagão, Bolsonaro irá ao Amapá no sábado

Por Lisandra Paraguassu
·2 minuto de leitura
Presidente Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto
Presidente Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto

Por Lisandra Paraguassu

BRASÍLIA (Reuters) - Depois de 16 dias de apagão no Amapá, o presidente Jair Bolsonaro confirmou nesta quinta-feira que fará uma visita ao Estado no próximo sábado, depois de ser chamado pelo presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), informou o Palácio do Planalto.

Em reunião entre Bolsonaro, Alcolumbre e a equipe econômica ficou acertado que o governo tentará fechar uma proposta de ajuda às famílias atingidas pelo apagão na sexta-feira para que o presidente possa apresentar no dia da visita.

Uma decisão judicial determinou que o governo pague duas parcelas de 600 reais, dentro do auxílio emergencial, a famílias de baixa renda do Estado prejudicadas pela apagão, mas o governo decidiu recorrer.

Em ação pedindo a suspensão da sentença, a Advocacia Geral da União (AGU) alega que a decisão exigia a criação de um novo auxílio emergencial apenas para o Amapá e feria não apenas a separação funcional de Poderes, ao criar uma obrigação que a União teria de cumprir, como traz "grave lesão à ordem econômica" ao criar despesa não prevista no orçamento.

A equipe econômica estuda outras alternativas, como a declaração de estado de calamidade e a liberação de FGTS ou pagamento de parcelas de seguro-desemprego. De acordo com uma fonte ouvida pela Reuters não há ainda uma definição.

A decisão de Bolsonaro ir ao Amapá apenas depois de mais de duas semanas da crise no Estado veio depois da reunião com Alcolumbre em que o senador pediu ao presidente que visse pessoalmente a situação no Estado.

O Amapá está desde o dia 3 deste mês com fornecimento intermitente de energia, depois que um incêndio derrubou a subestação de energia. Nos primeiros quatro dias, o Amapá ficou totalmente sem energia.

Apenas no dia 7 o governo federal começou o envio de geradores ao Estado, o que recuperou a energia em 80% dos municípios, mas apenas por algumas horas por dia, em rodízio. Na quarta-feira, o Amapá passou por mais um apagão.

Até a reunião com Alcolumbre, Bolsonaro havia mencionado a crise algumas vezes, mas não tinha demonstrado interesse em visitar o Estado.

(Reportagem adicional de Maria Carolina Marcello)