Depois de ter contato com Alcolumbre, Toffoli se isola para evitar disseminação do coronavírus

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, e o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli

BRASÍLIA - O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, está em quarentena desde a última quarta-feira, quando soube que o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, testou positivo para o coronavírus . Na segunda-feira, ambos participaram de uma reunião para debater medidas de contenção da pandemia. No local, também estavam outros ministros do Supremo e o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

- A partir do momento que saiu resultado do presidente do Senado, nós encerramos a sessão do Supremo, e de lá eu vim pra residência e cumpri recomendações médicas de isolamento - afirmou Toffoli nesta sexta-feira, em entrevista à Rádio Bandeirantes.

Toffoli informou que fará o teste nos próximos dias. Ele contou que está isolado em casa, sem contato direto com a filha e a funcionária que trabalha no local.

- Estou almoçando em casa, eu mesmo lavo minha louça, limpo meu quarto, estou tomando as precauções. Optei por não fazer exame ainda, porque se tem notícia que no começo o exame dá negativo, pessoa se sente à vontade pra sair de casa - explicou.

O ministro disse que, durante o isolamento, está trabalhando:

- Hoje temos tecnologia, o Supremo é 100% informatizado, ontem despachei mais de 900 processos do computador da minha casa. Se faço exame que não seria o verdadeiro, estou queimando um kit, que está escasso. Daqui uns dias vou fazê-lo, aí eu faço o exame, essa foi minha opção.

Embora os ministros do Supremo estejam todos trabalhando de casa, a assessoria de imprensa do STF informou que não há registro de outro que esteja em regime de isolamento. Os gabinetes de Ricardo Lewandowski, Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso informaram que eles não tiveram contato direto com pessoas contaminadas e não apresentaram qualquer sintoma da doença. Portanto, não haveria necessidade de isolamento.

- Eu não tenho nenhum sintoma e estou me sentindo muito bem. Não me isolei, apenas estou trabalhando de casa. Estou tomando as mesmas precauções que todo mundo. Normalmente, eu daria aula no Rio hoje. Não fui porque a UERJ (Universidade Estadual do Rio de Janeiro) está fechada e porque há uma recomendação das autoridades sanitárias de se evitarem viagens - declarou Barroso ao GLOBO.