Deportado, Djokovic pode ser proibido de voltar à Austrália até 2025? Entenda o caso

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Após ver seu último recurso na Justiça negado e ter seu o cancelamento de seu visto ratificado por decisão unânime da Corte Federal da Austrália, o tenista Novak Djokovic deixou o país sob a incerteza de quando poderá voltar. Em tese, a utilização do Ato de Migração do país, aplicado na decisão do cancelamento, implica num banimento por três anos. Mas é possível que haja uma exceção.

— Djokovic pode solicitar ao governo que o banimento seja desfeito com base numa exceção de convencimento e solidariedade. Acredito que ele deva tentar isso se quiser jogar o próximo Australian Open. Imagino que seja quem for o ministro (da Imigração), provavelmente autorizaria — afirmou Abul Rizvi, ex-secretário de Imigração do país, ao programa de TV "The Project".

A exceção citada por ele, chamada de "compelling and compassion", é um mecanismo de apelo que permite exceções em várias áreas, incluindo a migratória, quando o solicitante tem um motivo convicente — no caso de Djokovic, o interesse nacional por sua presença como esportista. Sem uma regulamentação definida, pedidos nesse sentido são avaliados pelas autoridades específicas.

No comunicado envolvendo sua decisão que cancelou o visto do sérvio, o ministro da Imigração da Austrália, Alex Hawke, não mencionou os três anos de banimento. Mas utilizou-se de uma das seções do Ato de Migração, evocando "saúde" e "ordem".

Seja como for, um banimento deixaria o sérvio de 34 anos de fora, pelo menos, dos torneios de 2023 e 2024. Na busca pelo 21º título de Grand Slam, que o tornaria recordista, a coleção de 20 títulos dos principais torneios do tênis do atleta tem nove troféus do torneio australiano.

Entenda o caso

Djokovic tentava reverter o cancelamento de seu visto, medida de Hawke. O sérvio vinha em longa batalha política e judicial para tentar entrar no país sem que esteja vacinado contra a Covid-19. Em um primeiro julgamento, o juiz Anthony Kelly liberou sua entrada no país, e o tenista chegou a treinar nas quadras de Melbourne. Mas na sexta-feira, Hawke usou do seu poder para cancelar a autorização e o atleta acabou detido por agentes de imigração no sábado, dois dias antes do Australian Open.

Dias antes, Djoko já havia passado algumas noites num centro de detenção de imigrantes assim que chegou ao país. As autoridades da fronteira não consideraram suficientes as alegações do tenista de que havia recebido uma exceção médica do governo do estado de Victoria e da Tennis Australia, organizadora do Australian Open, para entrar no país sem o imunizante, uma vez que havia se contaminado com o vírus no dia 16 de dezembro.

Djokovic é o atual e maior vencedor do Australian Open, com nove troféus. O sérvio está empatado com Roger Federer e Rafael Nadal como recordista histórico de Grand Slams, os quatro principais torneios do tênis — dos quais o campeonato australiano faz parte. Cada um ganhou 20 títulos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos