Deputado cobra Bolsonaro e chama ação da PF contra garimpo ilegal de terrorismo

·1 min de leitura
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 18.12.2019 - O deputado Silas Câmara (Republicanos-AM). (Foto: Mateus Bonomi/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 18.12.2019 - O deputado Silas Câmara (Republicanos-AM). (Foto: Mateus Bonomi/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O deputado Silas Câmara (Republicanos-AM) usou a tribuna da Câmara dos Deputados nesta segunda-feira (29) para cobrar ajuda do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e atacar a ação da Polícia Federal em parceria com outros órgãos que colocou fogo em embarcações que atuam no garimpo ilegal de ouro no rio Madeira. Ele classificou a operação da PF como terrorismo.

Segundo o deputado, cerca de 8 mil famílias da região atuam no que ele classifica como "extrativismo mineral domiciliar e artesanal" e 30% da economia das cidades da região da calha do rio Madeira depende da exploração de equipamentos como os que foram queimados.

Câmara disse ainda que além de utilizadas na exploração de ouro, as balsas são utilizadas como residência para os moradores da região. "Não são apenas balsas para extração mineral, mas são principalmente casas, na nossa região é muito natural as famílias morarem daquela forma", afirmou.

A bancada de deputados federais do Amazonas vai se reunir na quarta-feira (1º) com prefeitos de cidades da região do rio Madeira. O entendimento entre parlamentares é que era necessário fazer algo após a reunião de centenas de garimpeiros, mas que sem planejamento a ação acabou por atingir trabalhadores que não tem qualquer ligação com o crime organizado e que dependem do trabalho no rio para sobreviver.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos