Deputado evangélico da Assembleia de Deus ganha influência no Planalto

·1 minuto de leitura

BRASÍLIA — Quando o celular toca na mão do assessor, o deputado federal Cezinha de Madureira (PSD-SP) interrompe a conversa em seu gabinete e pergunta:

— É o presidente?

Não era, mas o questionamento faz sentido. Presidente da Frente Parlamentar Evangélica (FPE) e vice-líder do governo no Congresso desde abril, Cezinha chega a ir ao Palácio do Planalto três vezes por dia a pedido de Jair Bolsonaro.

Ali, costuma discutir articulação política, dá conselhos sobre comunicação e, embora negue, opina até mesmo sobre a indicação de um ministro “terrivelmente evangélico” para o Supremo Tribunal Federal, na vaga do decano Marco Aurélio Mello, que se aposentará em julho.

Perceptível nos bastidores, a influência do parlamentar de 47 anos ganhou os holofotes no último sábado. Ungido pela família Ferreira para ser representante político da Assembleia de Deus do Ministério de Madureira, o deputado e pastor evangélico também foi “consagrado” por Bolsonaro ao ser escolhido por ele para subir na garupa presidencial durante a motociata “Acelera para Cristo”, em São Paulo.

(Confira a íntegra da reportagem exclusiva para assinantes)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos