Deputado federal de MS é preso por porte de fuzil

Celso Bejarano
·2 minuto de leitura
Reprodução/Facebook
Reprodução/Facebook

BRASÍLIA – O deputado federal Loester Trutis (PSL-MS) foi preso nesta quinta-feira pela Polícia Federal, em Campo Grande (MS), por guardar em casa armas de uso restrito. Segundo o GLOBO apurou, entre elas estava um fuzil. Desde 2017, o porte deste tipo de armamento é considerado crime hediondo e, portanto, inafiançável.

Os investigadores cumpriam mandado de busca e apreensão, autorizado pelo STF (Supremo Tribunal Federal), na casa do parlamentar, por uma outra razão. O deputado denunciou, em fevereiro passado, ter sido vítima de um atentado a bala.

Em Sidrolândia, cidade distante 60 quilômetros de Campo Grande, segundo o deputado, seu carro foi alvejado por cinco tiros que teriam sido disparados por homens que ocupavam outro veículo.

À época, Trutis, disse ter revidado o ataque, também com tiros. Ninguém saiu ferido, segundo a ocorrência registrada na PF no mesmo dia. Desde então, Trutis tem cobrado o desfecho da apuração.

Pela manhã nesta quinta-feira, a PF cumpriu dez mandados de busca e apreensão, no âmbito da operação “Tracker”, investida policial que apura a denúncia.

Em inquérito conduzido pela PF, que corre no STF, o deputado é tido como suspeito por supostamente ter inventado que teria sido alvo dos tiros. No dia do suposto ataque, o parlamentar mostrou aos policiais, marcas de tiros em seu veículo.

O caso segue em sigilo. O GLOBO apurou que o parlamentar prestou depoimentos até o início da tarde, foi conduzido ao prédio do IMOL (Instituto de Medicina e Odontologia Legal) e depois encaminhado para um presídio militar.

A notícia da prisão de Loester Trutis não tinha sido informada à direção da Câmara dos Deputados, como determina a regra, até o final da tarde.

A defesa do parlamentar foi procurada, mas não respondeu.

Trutis surgiu na política na onda crescente da popularidade do presidente Jair Bolsonaro. Ele tocava comércio de venda de lanches em Campo Grande. A defesa de maior flexibilidade para a compra de armamentos foi um dos motes de sua vitóriosa campanha em 2018.