Deputado oftalmologista oferece 'tratamento precoce' contra Covid-19 em troca de 'like' em rede social

·16 minuto de leitura
Deputado Albert Dickson
Albert Dickson, deputado estadual pelo Pros no RN, recomenda medicamentos sem eficácia cientificamente comprovada para o tratamento da covid-19

"Alguém conhece médico que passa tratamento precoce?", pergunta um rapaz no Telegram. Em poucos segundos, recebe uma lista de médicos espalhados pelo Brasil e seus contatos. Entre eles, Albert Dickson. Abaixo, uma observação: "Para consultar com esse médico precisa se inscrever no seu canal do YouTube, printar a página, enviar o print da inscrição pelo WhatsApp, o nome completo do paciente, cidade/estado e sintomas". 

Diversos médicos no Brasil defendem e prescrevem medicamentos comprovadamente ineficazes ou sem eficácia comprovada para "prevenir" ou "tratar" a covid-19, prática que dizem ser um suposto "tratamento precoce" (leia mais sobre esses medicamentos no fim da reportagem). Há opções de consultas pagas, atendimento gratuito e, neste caso, concedidas após pedido de um "like" no YouTube.

Leia também

Basta enviar uma mensagem para Dickson, médico oftalmologista e deputado estadual no Rio Grande do Norte pelo Pros, para confirmar o aviso. Questionado sobre uma consulta para a covid-19 por meio do número de celular que ele mesmo divulga em seus vídeos, Dickson responde (*):

"Olá querido amigo e paciente. Antes de tudo gostaria que seguisse passo a passo:

  1. cadastre esse meu número nos seus contatos (Dr Albert Dickson)

  2. depois entre no nosso canal do YouTube e se inscrevesse lá. Observe o link abaixo e click. 

  3. Em seguida, PRINT a foto da inscrição e nos envie a pelo whats App. 

  4. Depois disso aguarde para contato. Grato."

(*) o texto acima corresponde à reprodução exata da mensagem recebida ao fazermos contato, ou seja, foi mantida a grafia e gramática ali utilizadas.

O próprio deputado não esconde a orientação em seus vídeos: "Como que vocês vão ter direito à consulta? Vocês vão se inscrever no nosso canal, ganhando uma etapa no atendimento. Vocês vão printar e mandar para o meu WhatsApp. Quando você mandar, você já vai começar a ter o acesso à consulta comigo", disse em um vídeo publicado no Facebook no dia 7 de março. "O segredo é mandar o print."

"Nós temos uma sequência no atendimento. Você precisa ir lá no canal do nosso YouTube, se inscrever lá, printar e mandar mensagem para mim. Essa é a chave, vamos dizer assim, para entrar no nosso atendimento", disse em um vídeo publicado no Instagram no dia 15 de março.

Procurado por e-mail pela BBC News Brasil, o deputado respondeu que "sugere" a inscrição em seu perfil de Instagram e canal do YouTube porque neles publica "pesquisas atualizadas" e "explica a doença de forma detalhada e nossa experiência com a mesma, além de tirar dúvidas ao vivo". 

Além disso, diz ele, não é obrigatório se inscrever no canal para ser atendido. "Apenas sugerimos, o que muitos não fazem, e continuamos a atender e responder. A consulta virtual não se paga absolutamente nada, nunca cobrei (e que mesmo se fosse não é proibido no Brasil)", afirmou. 

Dickson disse ser também "acima de tudo médico, e o tratado internacional e o Conselho Federal de Medicina na resolução 04/20 nos dá o direito médico de medicar contra o covid e nele prevalece a autonomia médica".

Por e-mail, Dickson também reafirmou ser "defensor do tratamento precoce desde o início da pandemia" e disse que continuará nesta defesa, afirmando haver "várias pesquisas já preconizadas e publicadas". "Outro ponto chama-se observação clínica que tem sido resolutivo nessa pandemia para muitos médicos."

Expondo as recomendações do chamado "tratamento precoce" com vídeos semanais desde março do ano passado e sugerindo inscrições em troca de atendimentos, Dickson multiplicou o número de inscritos em seu canal do YouTube. Quando o canal atingiu 100 mil inscritos, recebeu uma placa comemorativa da empresa. Agora, Dickson tem 201 mil seguidores na rede. 

Questionado sobre o conteúdo relacionado a tratamento precoce presente no canal, o YouTube informou que, de acordo com uma nova regra da plataforma, removeu 12 vídeos do canal por conteúdo que disseminava informações médicas incorretas, como afirmar que há uma cura garantida para a covid-19 ou recomendar o uso de ivermectina ou hidroxicloroquina. O canal segue no ar, entretanto, porque os vídeos removidos haviam sido publicados em um período anterior a essa nova regra, de 12 de abril. 

Passado um mês da regra, ou seja, a partir do dia 12 de maio, termina um período de "carência", quando o YouTube passará a penalizar usuários que a infrinjam, e não apenas retirar seus vídeos do ar. Três violações da regra farão com que o canal seja encerrado.

Foi uma ação semelhante à das semanas passadas, quando a plataforma removeu, pela primeira vez, cinco vídeos do presidente Jair Bolsonaro com desinformação médica. 

O deputado do RN Albert Dickson em uma de suas lives no YouTube explicando por que usa ivermectina, remédio sem eficácia comprovada contra a covid
Dickson já afirmou atender '500 pessoas por dia' e um total, até julho, de '31 mil pessoas do mundo inteiro'

As recomendações de Dickson também são vistas por seus 139 mil seguidores em dois perfis no Instagram. No Facebook, quase 50 mil pessoas o seguem, e há vídeos com mais de 200 mil visualizações.

Questionado pela BBC News Brasil, um porta-voz do Facebook, empresa dona do Instagram, disse que "remove alegações comprovadamente falsas sobre a doença", sem responder por que não removeu publicações semelhantes feitas pelo deputado, como a de que a ivermectina teria ação profilática contra a covid-19. Na realidade, não há comprovação científica da eficácia do medicamento para a covid,segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) - veja adiante. A empresa disse também ter anunciado um novo rótulo para publicações que informa que "alguns tratamentos não aprovados podem causar danos graves".

'500 pessoas por dia'

"Eu printei a inscrição no YouTube e ele me mandou a receita", confirma a potiguar Lucia Bezerra, de 53 anos. 

Para ela, trocar "like" no YouTube por prescrição de medicamentos é "válido" porque "as pessoas têm que ver para entender o que ele está dizendo, pra ver se querem ou não". 

"Pode ser que ele queira que o canal cresça. É estratégia dele, mas por mim, tranquilo", afirma. 

Bezerra e sua mãe, de 96 anos, tomam ivermectina de 7 em 7 dias e vitaminas desde o ano passado seguindo orientação do médico, segundo ela. Não há comprovação científica de que esses medicamentos protegem contra a covid-19. Ela diz não ter contraído a doença, mas diz também que passa o dia todo dentro de casa.

Em um dos vídeos em seu canal, Dickson diz que "atende 500 pessoas por dia, de domingo a domingo, de 7h da manhã até 3h da manhã, todos os dias". 

Já em uma reunião da Comissão Externa de Enfrentamento à Covid-19 na Câmara Federal em julho do ano passado em que participou como convidado, Dickson afirmou já ter atendido "31 mil pacientes do mundo inteiro" e ter acompanhado, por e-mail, 6.047 pacientes. Destes, segundo ele, dois morreram. 

Questionado pela BBC News Brasil sobre o número de atendimentos, o deputado afirmou: "Me reservo ao direito de não informar por uma questão de foro interno."

Em seu perfil no Instagram, alguns usuários reclamam da falta de resposta do deputado depois que mandam o "print" comprovando a inscrição em seu canal do YouTube. "Acho que o senhor só tá querendo audiência porque a gente morre de mandar mensagem no seu zap e nunca responde", escreveu um deles.

Quando de fato recebem uma resposta, os pacientes devem, segundo mensagem do deputado, informar "sintomas, quantos dias está doente, peso, nome e cidade onde está". "Aproveite e conheça nosso Instagram e se inscreva também", finaliza a mensagem enviada por WhatsApp.

Mas pacientes com quem a reportagem conversou disseram que depois de informar dados pessoais e sintomas, recebem diretamente um receituário médico. Ou seja, não tiveram uma consulta médica propriamente dita. 

A BBC News Brasil teve acesso a três receituários que teriam sido enviados por Dickson, e que, aparentemente, diferem um do outro apenas pelo nome do paciente e pela data. 

Para uma suposta "profilaxia" da covid-19, a receita inclui sete medicamentos, incluindo a ivermectina (leia mais no final desta reportagem). 

A BBC News Brasil perguntou a Dickson se o deputado considera como atendimento médico o envio de um receituário sem antes fazer uma consulta. Ele respondeu que "antes de enviar a receita com o nome e data direcionado ao paciente, o paciente nos passa os sintomas solicitados e após isso enviamos a receita".

Os números da pandemia em todo o mundo mostram que a maior parte das pessoas que contrai covid-19 se recupera. Por isso, segundo especialistas, remédios apresentados como "cura" acabam "roubando o crédito" do que foi apenas uma melhora natural.

No Brasil, mais de 422 mil pessoas já morreram vítimas da covid-19.

Médicos e políticos

Eleito para a Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte em 2014 com 37 mil votos e reeleito em 2018 com 31 mil votos, Dickson tem a seu lado nos vídeos sua esposa, Carla Dickson. Ela também é oftalmologista e política - foi eleita vereadora de Natal em 2016. No ano passado, por ser suplente de Fábio Faria na Câmara dos Deputados, tomou posse como deputada federal quando Faria assumiu o Ministério das Comunicações do governo Jair Bolsonaro. Agora, ela compõe a bancada evangélica da casa.

O casal tem se projetado como um dos maiores divulgadores do "tratamento precoce" nas redes e na política local.

Em maio do ano passado, por exemplo, Albert Dickson apresentou dois projetos de lei sobre o chamdo "tratamento precoce" na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte. Um deles determina a "disponibilização gratuita de kits de medicamentos com os remédios hidroxicloroquina, ivermectina e azitromicina" pelo SUS no Rio Grande do Norte. O outro pede a distribuição dos medicamentos por operadoras de planos de saúde - ambos "com as devidas receitas médicas e orientações". 

Também apresentou um projeto de lei que classificou o funcionamento de igrejas como atividade essencial durante a pandemia. No ano passado, o nome de Dickson também foi parar em jornais quando ele propôs propôs criar o "Dia Estadual da Visibilidade Heterossexual" no Rio Grande do Norte.

Multiplicação nas redes

O canal do YouTube "Carla e Albert Dickson" foi criado em 2017. Naquele ano, foram dois vídeos publicados, seguidos por um hiato de três anos. 

A movimentação começou mesmo em 2020. Em janeiro, o casal publicou um vídeo sobre "como evitar o câncer", que lhe rendeu 1.500 visualizações. 

Em fevereiro, fizeram a primeira "live" (vídeo transmitindo ao vivo) sobre o coronavírus, com 6 mil visualizações. No vídeo, dão sugestões de como melhorar a imunidade porque "as pessoas que foram mortas na China tinham imunidade baixa" (não há comprovação científica alguma disso).

O grande salto do canal se deu com a publicação de um vídeo sobre ivermectina em abril de 2020, que angariou 55 mil visualizações. 

"Novidades dessa medicação misteriosa que está sendo uma grande aliada no combate ao coronavírus no mundo", diz a descrição do vídeo. 

O vídeo termina com Dickson anunciando o número de seu celular, dizendo fornecer "telemedicina de forma gratuita" para quem entrar em contato com ele. 

A partir daí, os vídeos começam a ter mais de 100 mil visualizações e, em um caso, 200 mil, sempre divulgando o número de celular de Dickson no final do vídeo e pedindo uma captura de tela como prova de inscrição no canal para receber o atendimento gratuito. 

Mais recentemente, Dickson atribuiu à "nova cepa" os pacientes de covid com problemas de fígado na UTI - algo que outros profissionais associaram ao uso de medicamentos do chamado "kit covid".  

Em uma entrevista a um canal no YouTube publicada no dia 29 de março, Dickson afirmou, sem apresentar qualquer embasamento científico, que "a nova cepa" do vírus no Brasil ataca de forma mais acentuada o fígado dos pacientes. "A culpa do problema hepático chama-se covid, que se adaptou para matar mais rápido", disse. 

Receita com 'coquetel de medicamentos'

O que o deputado e médico afirma em suas lives é reiterado nos receituários para tratamento da covid que distribui por WhatsApp - e que ele inclusive atualizou para a "nova cepa". 

Uma receita lista esses medicamentos, por exemplo (a função ou "aplicação recomendada" entre parênteses é da reportagem): ivermectina (vermífugo), azitromicina (antibiótico), prednisona (um corticóide), dutasterida (trata aumento de próstata, com ação anti-hormônio masculino), espironolactona (um diurético com ação anti-hormônio masculino), bromexina (xarope expectorante), apixabana (anticoagulante oral), vitamina D.

Pílulas
Não há evidências científicas sobre eficácia da ivermectina contra covid-19

Dos medicamentos no receituário, apenas a azitromicina tem retenção de receita, ou seja, faz parte da lista de medicamentos controlados. Outros, como prednisona e dutasterida, por exemplo, são medicamentos de tarja vermelha, com venda sob prescrição médica mas sem retenção de receita. Os suplementos não precisam de receita, embora o receituário do médico especifique dosagens específicas, que exigem manipulação.  

"Não tem comprovação de que nada disso funciona para a covid-19", comenta o professor de Farmacologia da Universidade Federal de Rondonópolis André Bacchi, sobre o receituário. 

"São muitos medicamentos, muitas substâncias, é um coquetel gigantesco. A ideia de suplementar, tomar doses aumentadas de várias substâncias para fazer com que se tenha uma 'superimunidade' é falaciosa, e infelizmente está disseminada na sociedade geral como também entre especialistas", acrescentou Bacchi. 

Para ele, a receita é "genérica demais". Há, por exemplo, uma indicação para tomar um medicamento se o paciente "for do sexo masculino ou se for mulher na menopausa", dando a entender que o médico não direcionou a prescrição para o paciente porque nem a adequou ao sexo. 

"Você tem que conhecer seu paciente, no mínimo, para poder saber o que prescrever", diz Bacchi.

A receita médica, de um consultório de oftalmologia, termina com expressões religiosas. "Deus seja exaltado! Leia a Bíblia", diz, ao lado da assinatura de Dickson.

Estudos

Para que um remédio seja considerado seguro e eficaz contra uma doença, ele precisa passar por pesquisas com rigor metodológico que possam atestar seus reais benefícios e riscos, idealmente com um "padrão-ouro". 

Em outras palavras, estudos randomizados (voluntários sorteados para entrar em um esquema terapêutico ou no outro), com duplo cego (participantes e cientistas não sabem quem recebeu o quê) e controlados (uma parte do grupo tomou placebo ou a melhor terapia disponível até então).

A hidroxicloroquina para a covid-19, que Dickson propôs distribuir pelo SUS, já é comprovadamente ineficaz para a doença. Há diversos estudos sobre o tema. Um deles é o do Recovery Trial, feito no Reino Unido. Numa análise de mais de 4.500 pacientes hospitalizados, o uso de hidroxicloroquina e azitromicina não trouxe benefício algum. 

Um painel de especialistas internacionais da Organização Mundial da Saúde (OMS) concluiu, em março deste ano, que o medicamento não previne a infecção, fazendo uma "forte recomendação" para que não seja usado. Esta forte recomendação é baseada em seis estudos clínicos com evidências de alto nível que somam mais de 6 mil participantes.

Não há evidências de que a ivermectina, fármaco usado no tratamento de parasitas como piolho e sarna, ajude no tratamento da covid-19. Os estudos disponíveis até agora são inconclusivos. Por isso, a Agência Europeia de Medicamentos é contrária ao uso de ivermectina no tratamento da covid-19. Após revisar as publicações sobre o medicamento, a agência considerou que os estudos possuíam limitações, como diferentes regimes de dosagem do medicamento e uso simultâneo de outros medicamentos.

"Portanto, concluímos que as atuais evidências disponíveis são insuficientes para apoiarmos o uso de ivermectina contra a covid-19", concluiu a agência.

Tampouco aprovam o uso do medicamento contra a covid-19 a OMS e a Organização Pan-americana de Saúde (OPAS). A FDA, órgão de vigilância sanitária dos Estados Unidos, também não aprovou a ivermectina para prevenção ou tratamento da covid-19 no país

A azitromicina também não apresentou resultados positivos em experimentos com humanos. Em dezembro, um ensaio clínico randomizado em grande escala do Recovery Trial não encontrou nenhum benefício do antibiótico em pacientes hospitalizados com covid-19.

Tampouco há estudos robustos que comprovem que os outros medicamentos recomendados no receituário tenham qualquer eficácia para covid-19. 

A apixabana, um anticoagulante, é um fármaco que só deve ser indicado mediante complicações, explica Bacchi. "Você coloca sob riscos de efeitos adversos desnecessários, como o aumento de risco de sangramentos. Não é medicamento para ficar usando profilaticamente para qualquer pessoa na população."

A prednisona é um corticóide. Um estudo, do Recovery, mostrou benefício de outro corticóide, a dexametasona, em pacientes que precisavam de oxigênio ou ventilação mecânica, mas não em fase ambulatorial, como é o caso das pessoas que recebem a receita de Dickson. 

"Corticóides tomados de maneira precoce podem na verdade provocar o efeito inverso, diminuir até mesmo a imunidade", diz Bacchi.

Há alguns estudos que encontraram associação entre níveis baixos de vitamina D e taxas mais altas de covid-19 na população. Mas não puderam estabelecer que a deficiência foi a causa das taxas da doença, já que há outras hipóteses que poderiam explicar a relação. 

As populações com altas taxas de deficiência de vitamina D podem ser atingidas com mais força pelo coronavírus por outras razões, incluindo menor acesso a cuidados de saúde, por exemplo. Então, não há evidências suficientes para recomendar a vitamina D contra a doença.

Punição

Apesar de haver comprovação da ineficácia da hidroxicloroquina e não haver comprovação da eficácia de outros medicamentos para a covid-19, como a ivermectina, o Conselho Federal de Medicina não condenou veementemente a prática de recomendar ou prescrever esses medicamentos. Pelo contrário, no ano passado, aprovou parecer que facultou aos médicos a prescrição de cloroquina e da hidroxicloroquina para pacientes com covid-19.

À BBC News Brasil, o conselho disse que não comenta casos concretos. Uma resolução de 2011 do conselho sobre propaganda na Medicina estabelece que o médico deve "evitar sua autopromoção e sensacionalismo, preservando, sempre, o decoro da profissão". Como "autopromoção", diz o texto, entende-se a divulgação com intenção de "angariar clientela", "pleitear exclusividade de métodos diagnósticos e terapêuticos" e "auferir lucros de qualquer espécie", entre outros. 

A Associação Médica Brasileira e a Sociedade Brasileira de Infectologia, por sua vez, divulgaram nota dizendo que "as melhores evidências científicas demonstram que nenhuma medicação tem eficácia na prevenção ou no 'tratamento precoce' para a covid-19 até o presente momento".

Para Sergio Rego, médico, pesquisador da Fiocruz e professor de bioética na Escola Nacional de Saúde Pública da instituição, "não há respaldo ético normativo para a prescrição de algo que não tenha reconhecimento científico, salvo quando está inserido dentro de um processo de pesquisa aprovado por um comitê de ética". 

Médicos que prescrevem o suposto tratamento precoce podem ser responsabilizados em todas as esferas, diz Rego. 

Processos de avaliação de infrações éticas ocorrem dentro dos conselhos regionais de medicina a partir de queixas. Podem aplicar, como pena, a censura reservada, a censura pública, a suspensão de exercício profissional por um tempo e até a cassação do direito de exercer a medicina.

No Código Penal, a prática poderia ser enquadrada no artigo 132, diz Rego: "expor a vida ou a saúde e outrem a perigo direto e iminente", com pena de detenção de três meses a um ano, "se o fato não constitui crime mais grave". 

"O médico tem autonomia, mas isso não o exime da responsabilidade pelas consequências de seus atos", diz Rego. "Não é uma carta branca."

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos