Deputado que citou tapas de Bolsonaro em Michelle foi acusado de violência doméstica

Deputado disse que Bolsonaro
Deputado disse que Bolsonaro "deu uns tapas" em Michelle - Foto: Reprodução/YouTube
  • Deputado acusou Jair Bolsonaro de "dar uns tapas" na primeira-dama Michelle Bolsonaro

  • Julian Lemos, porém, tem contra ele três acusações de violência doméstica

  • Ele teria agredido e ameaçado a ex-mulher e a própria irmã entre 2013 e 2016

O deputado federal Julian Lemos (União Brasil-PB) já foi acusado de violência doméstica em duas oportunidades. Foi ele o responsável por acusar o presidente Jair Bolsonaro (PL) de agredir a primeira-dama, Michelle Bolsonaro.

Ex-aliado de Bolsonaro, Julian foi entrevistado pelo podcast "Arretado" e garantiu que o presidente "deu uns tapas" em Michelle depois que ela colocou silicone nos seios.

"Ele [Bolsonaro] deu uns tapas nela, durante as primeiras férias dele, que ele foi pra uma ilha. Ela foi colocar um silicone e ele deu uns tapas nela, dentro de casa. E agora deu outros empurrões nela de novo", declarou.

Julian foi além e disse que Michelle não esteve ao lado do marido no primeiro discurso após a derrota para Luiz Inácio Lula da Silva (PT) porque "está toda marcada".

O deputado afirmou, ainda, que o casamento do presidente com a primeira-dama "é de fachada". "[A relação de Bolsonaro e Michelle] é de fachada, fachada. Ela não aguenta nem ver ele."

Acusações contra o deputado

Segundo o portal UOL, porém, é Julian quem tem contra si acusações de violência contra mulheres. São duas denúncias de sua ex-mulher, Ravena Coura, e uma de sua irmã, Kamila Lemos, todas realizadas entre 2013 e 2016.

Tanto Ravena quanto Kamila, porém, desistiram das ações posteriormente, o que fez com que os casos fossem arquivados pela Justiça.

Em ambos os episódios, Ravena negou-se a formalizar a acusação alegando que havia exagerado nos fatos narrados em um primeiro depoimento.

O jornal Folha de S.Paulo noticiou que a ex-mulher disse, em 2013, que foi agredida fisicamente e ameaçada com uma arma de fogo. Três anos depois, Julian teria dito que ia "acabar" com a vítima: "Você não passa de hoje".

Já Kamila relatou ter sido ofendida e agredida com "murros e empurrões", além de arrastada pelo pescoço, justamente quando tentava apaziguar uma briga de Julian com a ex.